segunda-feira, novembro 28, 2022
Google search engine
InícioAÇÃO SINDICALSindejor propõe arrocho dos salários para jornalistas

Sindejor propõe arrocho dos salários para jornalistas

Os empresários de jornais e revistas de Santa Catarina querem que os jornalistas paguem a conta da crise econômica. Na primeira reunião de negociação entre o Sindejor e o Sindicato dos Jornalistas, ocorrida nesta terça-feira, a proposta patronal foi de reajustar os salários com apenas metade da inflação acumulada até a data-base da categoria (1º de maio). A “oferta” foi prontamente rejeitada e nova rodada de negociação foi agendada para o dia 21 de junho.

A pauta dos jornalistas reivindica o reajuste dos salários pela inflação (INPC de 9,83%), mais aumento real de 5%, entre outros pedidos. O documento foi encaminhado aos Sindicatos patronais de Jornais e Revistas (Sindejor) e de rádio e televisão (Sert-SC) em abril deste ano.  Na negociação desta terça, apenas os setores de jornal e revista estavam representados.

O Sindejor trouxe algumas renovações na composição de sua representação. A proposta revelada após mais de uma hora de debates, no entanto, não apresentou mudança nenhuma em termos de valorização dos jornalistas. Ao contrário, sustentando-se no discurso da crise econômica, os patrões se limitaram em propor a manutenção das cláusulas sociais e a pagar “50% da inflação”.

Também renovada, a representação dos jornalistas contou com a presença do presidente do SJSC, Aderbal Filho, do vice-presidente, Renan Antunes de Oliveira, do diretor Leonel Camasão, e do presidente da Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos (Arfoc/SC), Jeferson Acevedo. Também participaram integrantes da assessoria econômica e jurídica do Sindicato.

 “Crise da RBS” representou lucro líquido de R$ 89 milhões

Apesar de alegar crise nos meios de comunicação e nas receitas publicitárias, o Grupo RBS, maior empregador de jornalistas na mídia catarinense, obteve lucro líquido de R$ 89 milhões em 2015.

A partir de uma política de alta rotatividade dos empregados, a RBS reduziu o custo da folha de pagamento em oito milhões nos últimos dois anos. Em outras palavras, significa que a empresa passou a demitir profissionais mais antigos e com salários maiores para contratar novos, com salários muito menores. Os dados são do balanço social da empresa.

“O que se verifica é a redução da folha de pagamento com demissões e o enxugamento das redações dos grandes, médios e pequenos jornais”, afirmou o presidente do SJSC, Aderbal Filho. “É inadmissível que os jornais sobrecarreguem os profissionais com mais trabalho e sequer se disponham a conceder um aumento real além da inflação” completa.

Próxima negociação

Na negociação os representantes dos jornalistas deixaram claro que não levariam a contraproposta patronal para consulta às redações, pois obviamente seria rejeitada. Em seguida, o presidente do Sinderjor/SC, Ronaldo Roratto, questionou se não haveria a possibilidade de discutir outras cláusulas. O SJSC respondeu que isso é possível, mas que é necessária uma contraproposta real na qual os patrões valorizem os jornalistas.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios