sexta-feira, dezembro 9, 2022
InícioAÇÃO SINDICALJM promove demissões ilegais em Criciúma

JM promove demissões ilegais em Criciúma

Três jornalistas foram ilegalmente demitidos do Jornal da Manhã, em Criciúma, na segunda-feira (13). Os profissionais foram dispensados por retaliação, após aprovarem greve por tempo indeterminado. Com constantes atrasos em salários e sem pagamento há mais de 60 dias, os trabalhadores não encontraram outra alternativa, mas não efetivaram a paralisação, após o pagamento das duas folhas atrasadas e a atuação do SJSC junto ao Ministério do Trabalho e Ministério Público do Trabalho. A empresa também não estava pagando as contribuições ao INSS e ao Fundo de Garantia, apesar de descontar os valores dos salários. A prática configura crime de apropriação indébita. 

Por conta da aprovação da greve respeitando todos os preceitos legais, o Sindicato dos Jornalistas solicitou uma reunião de mediação no Ministério do Trabalho, agendada para a terça-feira (14), e para a qual a direção da empresa foi convocada. No entanto, surpreendendo a todos, um dia antes o JM demitiu três dos 5 profissionais que atuam diariamente na redação. E não compareceu na audiência sob a alegação de que só falaria com a presença de seu departamento jurídico. Nova reunião de mediação ficou marcada para o dia 20 de fevereiro.

As irregularidades vão desde falsos contratos de estágio até extensas jornadas ilegais de trabalho. Os repórteres eram obrigados a dirigir os veículos e a acumular a função de repórteres fotográficos. No encontro com os jornalistas, o SJSC e a assessoria jurídica explicaram o caso e as opções dos trabalhadores. Além do presidente do SJSC, Aderbal Filho, acompanharam a reunião o assessor jurídico, Herlon Teixeira, e o dirigente Leonel Camasão.

“Demissões amigáveis”

Em entrevista ao site Engeplus,  o diretor do Jornal da Manhã, Milton Carvalho, afirma que as demissões ocorreram “de maneira amigável” e que a empresa “não queria entrar em rota de colisão” com os funcionários. Segundo Carvalho, a empresa estuda terceirizar a produção de conteúdo, o que também seria ilegal.

O presidente do SJSC, Aderbal Filho, considerou as demissões “totalmente ilegais” e um flagrante ato de prática antissindical. “O SJSC tomará todas as medidas necessárias para que estes jornalistas não sejam prejudicados pelos patrões e por represálias. Continuaremos em defesa da dignidade da profissão e dos jornalistas”, afirmou.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios