quarta-feira, dezembro 7, 2022
InícioCAPAMANIFESTO DA FENAJ AOS JORNALISTAS BRASILEIROS

MANIFESTO DA FENAJ AOS JORNALISTAS BRASILEIROS

Caros (as) Jornalistas

Trabalhadores e trabalhadoras das mais diversas categoriais profissionais, ligados à CUT e demais centrais sindicais, estão sendo convocados a aderir à Greve Geral no dia 14 de junho de 2019, próxima sexta-feira, um ato contra a reforma da Previdência, em defesa da educação e por mais empregos.

A reforma da Previdência de Bolsonaro (PSL) acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição e impõe a obrigatoriedade da idade mínima de 65 anos para os homens e 62 para as mulheres, aumenta o tempo mínimo de contribuição de 15 anos para 20 anos e altera o cálculo para reduzir o valor do benefício pago pelo INSS – trabalhadores vão receber apenas 60% do valor do benefício. Para ter acesso à aposentadoria integral, o trabalhador e a trabalhadora terão de contribuir por pelo menos 40 anos. Portanto, a reforma proposta pelo governo, em tramitação no Congresso Nacional, atinge principalmente os menos favorecidos e não ataca os privilégios.

Os trabalhadores brasileiros também vão parar no dia 14 em protesto contra os cortes anunciados na educação básica; vão faltar recursos para a compra de móveis, equipamentos, para a capacitação de servidores e professores e até para pagamento de contas de água e luz. Além disso, os cortes afetam profundamente a educação, a saúde e a produção científica e tecnológica. As universidades públicas são responsáveis por mais de 90% da pesquisa e inovação no país e prestam serviços à população por meio de projetos de extensão e hospitais universitários.

O desemprego crescente também motiva a paralisação. No primeiro trimestre deste ano, faltou trabalho para 28,3 milhões de pessoas no Brasil, segundo o IBGE. A taxa de desemprego do período foi de 12,7% e atinge 13,4 milhões de trabalhadores e trabalhadores. Uma das promessas da reforma trabalhista, aprovada em 2017, era justamente “criar mais postos de trabalho”. Até agora, o governo Bolsonaro não apresentou uma proposta que, de fato, contribua para aquecer a economia e gere emprego e renda.

No campo da comunicação, estão ocorrendo demissões em massa nas redações de todo o país; direitos dos jornalistas suprimidos, salários atrasados, redução de piso salarial e o desmonte da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), com fechamento de praças, fusão do sistema público com o estatal, extinção de programas e impasse na negociação salarial do trabalhadores.

Diante desse quadro de grave precarização da força de trabalho e da supressão de políticas públicas, por parte do governo Bolsonaro, que atingem milhões de brasileiros de todas a classes e categorias profissionais, a Federação Nacional do Jornalistas (FENAJ) apoia a Greve Geral do dia 14 de junho e conclama os seus 31 Sindicatos filiados a convocar atos, manifestações públicas, visitas às redações para estimular a paralisação, por um dia, dos jornalistas brasileiros, em adesão ao movimento paredista nacional.

Brasília, 12 de junho de 2019.

Diretoria Executiva da FENAJ

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios