terça-feira, dezembro 6, 2022
InícioNOTÍCIASPatrões adiam rodada de negociação com jornalistas

Patrões adiam rodada de negociação com jornalistas

A entidade patronal (Sindejor/SC) voltou a protelar as negociações com os trabalhadores ao transferir para esta semana a reunião que estava marcada para a última quinta-feira (9). A justificativa para o adiamento teria sido um “compromisso inadiável” no Rio Grande do Sul de um dos representantes da bancada das empresas, que se comprometeu a voltar a dialogar com a comissão de negociação dos jornalistas até o próximo dia 16.

Os patrões têm usado o expediente de agendar as reuniões e desmarcá-las na véspera, o que já ocorreu em três ocasiões. Na última rodada de negociação, realizada dia 3 de agosto, as conversações avançaram. Mas a bancada patronal ainda não apresentou uma contraproposta completa ao conjunto das reivindicações dos jornalistas.

O SJSC persiste na busca de um acordo que se traduza em avanços e melhorias nas condições de trabalho dos jornalistas e convoca a categoria a permanecer atenta. Assim que obtiver da bancada patronal um posicionamento mais condizente com as expectativas dos jornalistas, o SJSC vai submeter a contraproposta à deliberação da categoria.

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES

Até o momento, é o seguinte o retrato da campanha de negociação coletiva dos jornalistas: o novo piso salarial será reajustado, com ganhos reais, em duas etapas, passando dos atuais R$ 1.395,68 para R$ 1.535,00 (retroativo a 1º de maio de 2012) e para R$ 1.600,00 (a partir de 1º de janeiro de 2013). Para os demais salários, o reajuste, embora menor, também será acima da inflação, avançando em relação à proposta inicial dos patrões, que era a simples recomposição do INPC do período (4,88%).

Da pauta de reivindicações apresentadas pelos jornalistas, dez cláusulas já estão acordadas (Vigência e data-base; Data de Pagamento; Compensação; Admitidos após a data-base; Contrato de Experiência; Salário Substituto; Comprovante de pagamento; Seguro viagem; Ampliação do Auxílio creche e Gratificação de aposentadoria), quatro foram rejeitadas pelos patrões – sem possibilidade de acordo (Isonomia salarial entre homens e mulheres; Adicional por tempo de serviço; Adicional noturno e Adicional por regime de exclusividade). Em três cláusulas será mantida a mesma redação da atual Convenção Coletiva (Diária por viagem; Transporte noturno e Novas técnicas e equipamentos). Quatro cláusulas devem sofrer modificações no texto (Participação nos Lucros e Resultados; Horas extras; Vale alimentação e Auxílio funeral), além de outras quatro que serão novamente alvo de discussão (Abrangência; Mora salarial; Adicional de periculosidade e Risco profissional). Quinze cláusulas aguardam posicionamento patronal.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios