sexta-feira, dezembro 9, 2022
InícioNOTÍCIASRelatório da pesquisa Perfil do Jornalista Brasileiro está disponível para download

Relatório da pesquisa Perfil do Jornalista Brasileiro está disponível para download

Já está disponível para download o relatório final da pesquisa Perfil do Jornalista Brasileiro 2021. Os resultados da pesquisa são baseados em 7.029 respostas, a partir das quais – após etapa de saneamento – foram consideradas 6.650, sendo 6.594 vindas de todas as unidades da federação e 56 de jornalistas que atuam no exterior. A pesquisa possui margem de erro inferior a 2%, em intervalo de confiança de 95%.

“Essa é uma grande contribuição ao campo de pesquisa em jornalismo no país, que permite, além de atualizar dados referentes às características demográficas, políticas e de trabalho desses profissionais, constatar transformações ocorridas no perfil de profissionais do jornalismo, comparando os novos achados com o estudo pioneiro, realizado há 10 anos, em 2012”, ressalta o coordenador geral da pesquisa, professor Samuel Pantoja Lima (UFSC).

Os dados do estudo indicam que jornalistas no Brasil ainda são majoritariamente mulheres (58%), brancas (68,4%), solteiras (53%), com até 40 anos, perfil que mudou pouco em relação ao levantamento realizado em 2012. Ainda assim, é importante ressaltar que essa participação feminina reduziu em seis pontos em comparação ao estudo de 2012 (64%).

“Outro aspecto importante que podemos destacar é em relação à renda. O jornalismo brasileiro paga pouco a profissionais de formação elevada. Para se ter uma ideia, a renda mensal de 60% dos entrevistados é inferior a R$ 5,5 mil por mês e apenas 12% recebem acima de R$ 11 mil”, aponta Lima, destacando ainda que: “Esse dado acaba contrastando com a escolaridade identificada: 42,3% têm ensino superior completo, com especialização tivemos 28,6% das respostas, além de 14,7% que têm mestrado”.

No relatório de pesquisa também é possível encontrar a estimativa da categoria por cor-raça (brancos/as – 67,8%, pardos/as – 20,6%, pretos/as – 9,3%, amarelos/as – 1,3%), funções (dos profissionais que atuam na mídia, 37,1% atua como repórter e 23,4% como editor/a) e outros estratos sociodemográficos, além de analisar as correlações entre indicadores políticos – como taxa de sindicalização (das 2.017 respostas válidas, 68,6% indicaram não ter nenhuma filiação e 31,4% de respondentes possui filiação sindical) – e vetores como registro profissional (mais de dois terços afirmam possuir o registro profissional – 77,3%).

Além dessas características, a pesquisa incluiu a precarização do trabalho, as condições laborativas que afetam a saúde e os efeitos das inovações tecnológicas, observando as principais mudanças apresentadas na última década. “É importante destacar aqui que o próprio contexto de pandemia da Covid-19 intensifica as dificuldades, adicionando à precarização já existente efeitos psicológicos devidos às pressões comuns do trabalho combinadas ao luto e ao excesso de trabalho decorrente de colegas se demitindo ou sendo demitidos, com pouco ou nenhum apoio das empresas”, pontua o coordenador geral.

Sobre a pesquisa

A pesquisa é uma construção coletiva liderada pelo Laboratório de Sociologia do Trabalho (Lastro/UFSC) e articulada nacionalmente pela Rede de Estudos sobre Trabalho e Profissão (RETIJ), da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor). Como resultado desse trabalho colaborativo, 7.029 jornalistas responderam ao questionário entre 16 de agosto e 1º de outubro de 2021.

O estudo envolveu 17 pesquisadores voluntários de todas as regiões brasileiras e recebeu o apoio das principais organizações nacionais da categoria: ABI, ABEJ, ABRAJI, APJor, FENAJ – e Sindicatos filiados, e SBPJor, assegurando a inédita visibilidade à pesquisa e viabilizando seu alcance nacional.Acesse o relatório final da pesquisa AQUI

Fonte: Perfil do Jornalista Brasileiro

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios