0,00 BRL

Nenhum produto no carrinho.

Patrões apresentam proposta ainda muito baixa e suspendem negociação

Piso salarial de R$ 2.986,00 e 9% de reajuste nos salários. Este foi o avanço posto como limite pelos representantes patronais na quarta rodada de negociação ocorrida na quinta-feira (30/06). E após 2 horas de debates, disseram que “os canais de diálogo estão abertos, mas voltar para a mesa de negociação, não”. A distância com relação às reivindicações dos jornalistas é grande. O SJSC buscará uma alternativa para acordo que minimize as perdas que a categoria vem sofrendo.

Foto: Freepik

Para além do valor nominal do piso e dos 9% de reajuste nos salários, os representantes patronais propuseram a elaboração de uma redação que assegure que as empresas que não pagaram as antecipações anteriores tenham que pagar.

Na prática, a proposta representa uma recomposição de 15,4% nos salários e no piso, diante de uma inflação acumulada de 23,9% nos últimos 3 anos. Ou seja, um arrocho salarial de 8,5%, sob o argumento de que as empresas também sofreram com a pandemia e tiveram queda nas vendas publicitárias neste período.

A resposta dos negociadores do SJSC foi objetiva: os trabalhadores jornalistas sofreram muito mais com exposição direta à pandemia para assegurar informação de qualidade à sociedade, redução de salários e jornadas de trabalho (na qual o governo federal “auxiliou as empresas”), defasagem salarial diante do aumento de preços de alimentos, combustíveis, entre outros, e demissões.

Considerada novamente insatisfatória a proposta dos patrões, após um intervalo, os negociadores do SJSC apresentaram nova contraproposta: piso salarial de R$ 3.190,66, abono para todos de R$ 2 mil (em 3 parcelas)  para compensar diferenças salariais não pagas nos últimos 2 anos e aceitação dos 9% de reajuste retroativo a maio, mas com o pagamento dos 8,5% restantes para cobrir a inflação do período (23,9%) em 5 parcelas de julho a novembro de 2022, além da manutenção das demais cláusulas da Convenção Coletiva 2019/2020 e reajuste do auxílio educação infantil para R$ 274,09.

Semblantes e o tom de voz dos representantes patronais se alteraram. Parecia um absurdo os jornalistas reivindicarem valorização de seu trabalho num período de tantas perdas, condições adversas de exercício de suas funções e de tanto sofrimento. Fincaram pé em sua proposta e proclamaram o encerramento da mesa de negociação. Fecharam a porta, deixando abertos apenas “os canais de diálogo”.

Para os representantes do SJSC, esta não é a postura correta de quem se diz disposto a um entendimento. Imposição não rima com acordo. O SJSC buscará formular uma proposta que encurte as diferenças e que seja digna de ser apresentada numa assembleia geral para deliberação da categoria.

Matérias semelhantes

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais lidas

%d blogueiros gostam disto: