InícioNOTÍCIASGovernador Raimundo Colombo cria a Comissão Estadual da Verdade

Governador Raimundo Colombo cria a Comissão Estadual da Verdade

O governador Raimundo Colombo assinou no dia 1º de março, o decreto que cria a Comissão Estadual da Verdade Paulo Stuart Wright. Ela será composta por cinco membros, que serão escolhidos pelo poder público entre brasileiros de reconhecida conduta ética. A comissão foi criada para auxiliar nos trabalhos da Comissão Nacional da Verdade (CNV), do Governo Federal, que busca esclarecer violações dos direitos humanos praticados durante o período de 18 de setembro de 1946 a 5 de outubro de 1988.

“Ainda hoje há muitos filhos e filhas que viram seus pais desaparecerem de um dia para o outro. Incapazes de entender o porquê dessa parte tão importante de sua vida ter sido tirada. Mães que esperaram durante semanas em vão o retorno de seus filhos. Eles não só merecem como tem o direito de saber a verdade”, afirmou o governador.

Os membros da comissão não vão receber nenhum tipo de remuneração pela atuação, por ser considerada uma atividade de relevante interesse público. O texto do decreto afirma que seus membros devem ter identificação com a defesa da democracia e com o respeito aos direitos humanos.

Entre as suas principais funções estão: promover o esclarecimento de casos de tortura, mortes, desaparecimentos forçados, ocultação de cadáveres e da autoria desses crimes, assim como os locais onde foram praticados. Contar a história daqueles que não puderam ser ouvidos nas violações de direitos humanos praticadas.
Toda e qualquer informação obtida que possa ajudar a localizar e identificar corpos e restos mortais de desaparecidos políticos será repassada para a CNV.

Assim como a comissão nacional, a Comissão Estadual da Verdade não terá caráter “jurisdicional ou persecutório”, diz o texto. Ou seja, não irá julgar e punir. Vai apenas contar as verdades que ainda estão ocultas em arquivos e na memória dos torturadores e de testemunhas.

Mas, com um prazo de duração de dois anos prorrogáveis por igual período, a comissão tem outro papel importante a desempenhar para a sociedade. Ela também vai recomendar a adoção de medidas e políticas públicas para prevenir que violações aos direitos humanos como aquelas voltem a se repetir em Santa Catarina e em todo o país.

Nome da comissão homenageia político catarinense cassado pelo AI-5

Paulo Stuart Wright, político catarinense que dá nome à comissão estadual, nasceu em Herval d’Oeste no dia 2 de junho de 1933. Ele era irmão do pastor Jaime Wright.

Foi cassado pelo Ato Institucional Número Cinco (AI-5) e se exilou no México. Tentou retornar clandestinamento ao Brasil, mas acabou preso em São Paulo na primeira semana de setembro de 1973, data a partir da qual não se teve mais notícias de seu paradeiro.

Filho de Lathan Ephrahim Wright e de Maggie Belle Müller Wright, ambos norte-americanos, ele foi deputado da Assembleia Legislativa de Santa Catarina.

Secretaria de Estado e Comunicação – Thiago Santaella

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios