quarta-feira, dezembro 7, 2022
InícioNOTÍCIASCarta do Rio de Janeiro aponta prioridades nas lutas dos jornalistas

Carta do Rio de Janeiro aponta prioridades nas lutas dos jornalistas

votoRealizado no Rio de Janeiro, entre os dias 22 e 25 de agosto, o XIX Encontro Nacional de Jornalistas em Assessoria de Imprensa (ENJAI) reuniu mais de 250 profissionais no Rio’s Presidente Hotel. Aprovada na plenária final, a Carta do Rio de Janeiro, documento que sintetiza as resoluções do evento, estabeleceu prioridades como a luta pela aprovação da PEC do Diploma, a criação do Conselho Federal dos Jornalistas, o combate à violência contra profissionais de imprensa e precarização das relações de trabalho.

Na plenária final foram apreciadas 25 teses com diversas propostas reunidas nos eixos temáticos Assessoria de Imprensa nos Grandes Eventos, Regulamentação e Formação Profissional, Relações e Condições de Trabalho, Jornalistas e o Serviço Público, Teses Avulsas e teses a serem remetidas ao próximo congresso nacional da categoria.

As resoluções do evento estarão disponíveis no site da FENAJ e dos Sindicatos de Jornalistas nos próximos dias, após a elaboração do relatório final. A plenária terminou com a aprovação, por unanimidade, da realização do próximo ENJAI no Ceará, em 2015.

Confira, a seguir o documento final do XIX ENJAI.

Carta do Rio de Janeiro
Nós jornalistas em assessoria de imprensa reunidos na cidade do Rio de Janeiro, de 22 a 25 de agosto de 2013, durante o XIX ENJAI, reafirmamos o compromisso da profissão de que a assessoria de imprensa é uma atividade essencialmente jornalística e, portanto, sujeita aos princípios teóricos, técnicos e éticos que regem a profissão. Como jornalistas que somos, defendemos a dimensão pública da profissão.

Qualquer que seja o campo que compreende a atuação das assessorias de imprensa, o que deve imperar é o interesse público da informação, pois a nós profissionais cabe a tarefa de exercer o papel de mediadores sociais. Como profissão essencial à democracia, o Jornalismo e os jornalistas não abrem mão dessa prerrogativa.

Nesse sentido, assistimos e participamos do clamor das ruas. Contudo, não podemos conceber o fato de profissionais serem agredidos no exercício da profissão, pois, como trabalhadores, nossa missão é a de levar à sociedade uma informação de qualidade, com a correta apuração dos fatos.

Para o pleno exercício de nossa profissão, cerramos fileira com a Federação Nacional dos Jornalistas e exigimos que a Câmara dos Deputados aprove imediatamente a proposta de emenda constitucional que restabelece a obrigatoriedade do diploma para o exercício do Jornalismo. Igualmente, necessária se faz a criação do Conselho Federal de Jornalistas (CFJ), que garantirá aos jornalistas o pleno controle de sua profissão, como é o anseio de 73% da categoria, manifestado na pesquisa O Perfil do Jornalista Brasileiro.

Por fim, reafirmamos a posição da Federação Nacional dos Jornalistas e dos Sindicatos a ela filiados, de lutar incessantemente contra a precarização das relações de trabalho, que também atinge as assessorias de imprensa, públicas e privadas, e que passa pelo cumprimento da jornada de 5 horas de trabalho, pelo pagamento de salários dignos e pelo combate a todo tipo de assédio e do acúmulo de função.

Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2013.

Foto: Douglas Mansur

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios