InícioNOTÍCIASBrecha legal confirma licença de TV paga para a filha de Silvio...

Brecha legal confirma licença de TV paga para a filha de Silvio Santos

SAO PAULO, SP, BRASIL, 19-02-2014: Retrato de Patrícia Abravanel. (Foto: Leticia Moreira/ FORBES)
SAO PAULO, SP, BRASIL, 19-02-2014: Retrato de Patrícia Abravanel. (Foto: Leticia Moreira/ FORBES)

A Anatel publicou hoje, 25, no Diário Oficial da União o ato 3.138, que autoriza a migração das outorgas da TV Alphaville, nas cidades de Barueri e Santana do Parnaíba, em São Paulo, para o Serviço de Acesso Condicionado (SeAC). Este processo estava parado na agência desde 2011, quando foi publicada a nova lei do SeAC, que trata da TV por assinatura e proíbe a propriedade cruzada entre detentores de emissoras abertas de TV (caso do SBT, do grupo Silvio Santos) e operadoras de TV paga. Mas, a agência já havia aprovado, em abril deste ano, com parecer contrário da procuradoria especializada, a transferência do controle da operadora de TV paga para a filha de Silvio Santos, Patrícia Abravanel

Patrícia Abravanel, filha do apresentador Silvio Santos, e dono da emissora de TV aberta, SBT, é a nova controladora de outorgas de TV paga, em duas cidades do interior paulista. Hoje, 25, a Anatel publicou no DOU o ato que confirma a licença das operações nas cidades de Barueri e Santana do Parnaíba, em São Paulo, da TV Alphaville, até pouco tempo de propriedade do pai, Silvio Santos.

O processo demorou quase três anos para ser aprovado pela agência, pois ele envolvia uma delicada questão acionária. É que a nova lei da TV por assinatura – a Lei do SeAC, fruto de uma negociação que durou mais de quatro anos no Congresso Nacional – proíbe a propriedade cruzada para donos emissoras de TV abertas e donos de operadoras de TV fechada. Para manter as suas operações de TV a cabo, o grupo Silvio Santos encontrou a saída salomônica: transferiu 49% das ações para a filha. Operação aprovada pelo conselho diretor da Anatel, que entendeu que a nova lei não proíbe que parentes de proprietários de emissora de TV possam ser controladores de operadoras de TV paga. E a operação foi aceita, e hoje, finalmente, formalizada.

A procuradoria especializada da agência entendeu que a transferência de controle societário entre membros da mesma família não deveria ser aprovada, mas o conselho diretor da agência se posicionou contrário ao parecer jurídico, por entender que estaria extrapolando os limites previstos na lei. O processo só tramitou na agência depois que foi encontrada esta brecha legal, pois o grupo não queria abrir mão de suas outorgas.

Conforme estabelece Lei do SeAC- em seu artigo 5º “O controle ou a titularidade de participação superior a 50% (cinquenta por cento) do capital total e votante de empresas prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo não poderá ser detido, direta, indiretamente ou por meio de empresa sob controle comum, por concessionárias e permissionárias de radiodifusão sonora e de sons e imagens e por produtoras e programadoras com sede no Brasil, ficando vedado a estas explorar diretamente aqueles serviços.”

Com base neste artigo, cujo a intenção do legislador é impedir que o mesmo grupo econômico possua outorgas de diferentes emissoras de TV, a Anatel mandou, por exemplo, a TV Globo sair do controle da NET Serviços, embora a emissora tenha ficado com uma participação minoritária e mantido o poder de veto sobre a programação internacional.

A lei veda ainda o “controle ou a titularidade de participação superior a 30% (trinta por cento) do capital total e votante de concessionárias e permissionárias de radiodifusão sonora e de sons e imagens e de produtoras e programadoras com sede no Brasil não poderá ser detido, direta, indiretamente ou por meio de empresa sob controle comum, por prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo, ficando vedado a estas explorar diretamente aqueles serviços.”

Fonte: FNDC

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios