InícioAÇÃO SINDICALFuncionários da TV Catarina entram em greve e tiram programação local do...

Funcionários da TV Catarina entram em greve e tiram programação local do ar

Em assembleia realizada na tarde de quarta-feira (14/03), na sede da TV Catarina, em Florianópolis, funcionários do operacional e jornalismo da emissora deflagraram greve por tempo indeterminado. Com mais de dois meses de salários atrasados e dois anos de atraso nos repasses do FGTS E INSS, os profissionais suspenderam a programação local da afiliada da Band no estado.

Após receberem do diretor de Conteúdo e Programação da emissora, Gregório Silveira, a informação de que não havia possibilidade nem expectativa de pagamento dos salários atrasados, e sem nenhuma proposta ou prazo para regularizar a situação, os profissionais decidiram paralisar as atividades.

Eles voltaram a se encontrar na empresa nesta segunda-feira (19/03), com a presença de representantes do Sindicato dos Radialistas e do Sindicato dos Jornalistas, em busca de um posicionamento da direção da empresa. Sem nenhuma proposta patronal, os trabalhadores aprovaram a continuação da paralisação e foi eleita uma comissão para encaminhar o movimento. A pedido do diretor de Conteúdo e Programação, os empregados decidiram não fechar Exibição (que coloca a programação no ar) até sexta-feira, para que ele possa negociar com a direção. Nova assembleia acontecerá na sexta-feira (23/03), às 9h, mesmo no feriado.

Ré e reincidente

Em julho do ano passado, a antiga Band SC demitiu 27 profissionais, reduzindo o pessoal na matriz, em Florianópolis, e fechando diversas regionais. A grande maioria dos demitidos ainda não recebeu as verbas rescisórias. Recentemente o Ministério Público do Trabalho recebeu denúncia anônima de que trabalhadores que reclamaram da situação dramática que vivem foram ameaçados de demissão. “Não sei mais onde vão demitir, com o quadro mínimo que a empresa tem hoje”, disse um funcionário que não quis se identificar.

A emissora é ré em uma Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) a partir de denúncia do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina. Além de atrasos recorrentes em salários, férias e outras obrigações trabalhistas, a empresa é acusada de fraude nos contratos de trabalho, ao registrar todos os seus profissionais de jornalismo como radialistas.

Além da regularização dos profissionais e do pagamento correto de salários e férias, o Procurador do Trabalho, Acir Alfredo Hack, pediu multa por dano moral coletivo de R$ 1 milhão de reais. O caso está no Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região e teve audiência de instrução e julgamento, com oitiva de testemunhas, em fevereiro.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios