InícioNOTÍCIASFENAJ repudia decisão judicial que condena jornalista a indenizar advogado da família...

FENAJ repudia decisão judicial que condena jornalista a indenizar advogado da família Bolsonaro

A Federação Nacional dos Jornalistas, por meio da sua Comissão Nacional de Mulheres Jornalistas, vem a público repudiar a decisão da 6ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), que condenou a jornalista Juliana Dal Piva, colunista do UOL, a indenizar em R$ 10 mil a Frederick Wassef, por ter divulgado as mensagens em que foi atacada pelo advogado da família Bolsonaro.

A decisão do juiz Flavio Coimbra Junqueira foi publicada na última quinta-feira (9/06). O magistrado acolheu parcialmente o pedido da jornalista e condenou Wassef a pagar R$ 10 mil por danos morais à repórter. A mesma sentença, porém, também condenou Dal Piva a indenizar Wassef em R$ 10 mil por ter divulgado as mensagens em que foi atacada pelo advogado.

Para o juiz, o advogado extrapolou os limites da liberdade de expressão ao fazer ofensas de cunho sexual à jornalista e dizer que “ela está induzindo o público ao erro”, enquanto Dal Piva teria violado o sigilo das comunicações privadas ao compartilhar as mensagens recebidas pelo Whatsapp.

Em julho do ano passado, a FENAJ, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e a Comissão Nacional de Mulheres da Federação manifestaram-se contra as mensagens encaminhadas à jornalista e exigiram medidas cabíveis dos órgãos responsáveis, como a imediata apuração da ameaça e proteção à jornalista. Também cobraram da Comissão de Ética da OAB instauração de procedimento disciplinar contra Wassef.

Para a FENAJ, a conversa entre a jornalista e o advogado dos Bolsonaro foi motivada por uma apuração jornalística. Desta forma, Wassef respondeu, na condição de figura pública, com questionamentos que tentavam intimidar a repórter. Neste caso, Dal Piva tem o direito de divulgar a mensagem porque estava desempenhando seu papel de repórter.

Sobre o conteúdo das mensagens, a FENAJ compreende que Wassef não está defendendo uma opinião, ao escrever “La na China voce desapareceria e nao iriam nem encontrar o seu corpo. O mesmo ocorre na Venezuela, Cuba e outros paraisos comunistas” (SIC). Portanto, as ameaças do advogado da família Bolsonaro à jornalista não podem ser confundidas com liberdade de expressão.

Classificamos a decisão judicial como uma violação ao próprio direito de defesa e ao exercício do jornalismo, abrindo precedente perigoso para a liberdade de imprensa no país. O Judiciário brasileiro precisa reverter essa sentença e passar a adotar decisões que estimulem a atividade jornalística, sob pena de ampliar os ataques aos trabalhadores que contribuem para a efetivação do direito à informação.

Brasília, 15 de junho de 2022

Federação Nacional dos Jornalistas

Comissão Nacional de Mulheres Jornalistas

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios