InícioAÇÃO SINDICALSJSC e sindicato patronal retomam negociações, mas ainda não há acordo

SJSC e sindicato patronal retomam negociações, mas ainda não há acordo

Após dois adiamentos, em novo encontro virtual, representantes do Sindicato dos Jornalistas e o Sindicato de Jornais e Revistas de Santa Catarina reuniram-se, na manhã de terça-feira (15/05), para dar continuidade a Negociação Coletiva de 2021. Embora com propostas bastante distintas, as partes manifestaram a disposição de chegar a um acordo. O debate deu-se a partir de 11 cláusulas econômicas e sociais destacadas pelos representantes dos trabalhadores.

Na conversa da última terça, em princípio o Sindicato patronal recusou as duas propostas sociais que tratam da compensação financeira para trabalhadores e home office, que inclui fornecimento de equipamento e ajuda de custo com gastos como internet e energia elétrica; e também recusaram a proposta que busca instituir equipamentos de segurança para coberturas de risco, como fornecimento de capacete e coletes, quando necessário.

O argumento dos empresários foi o mesmo de sempre: queda no faturamento das empresas. Apesar das duas negativas, o SJSC conseguiu manter as duas cláusulas em pauta, com o compromisso de apresentar nova redação para as duas propostas.

O ponto de convergência na reunião ficou por conta da concordância de adoção das medidas necessárias para trabalho presencial na pandemia, como fornecimento de máscara, álcool em gel e cumprimento das normas vigentes de distanciamento social.

Vacinação dos jornalistas

Outro ponto debatido no encontro foi a necessidade de se priorizar a vacinação dos jornalistas, bandeira levantada pelo SJSC e pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ). Em comum acordo, os sindicatos patronal e laboral se comprometeram em buscar uma interlocução com o governo de SC para inclusão dos profissionais da comunicação na linha de frente entre os grupos prioritários.

Iniciativas semelhantes foram adotadas em outros estados que anunciaram a inclusão de jornalistas entre os grupos prioritários para a vacinação, como Maranhão, Mato Grosso, Rondônia e Bahia.

A inclusão dos jornalistas entre os grupos prioritários ganha adesão no país pela característica da atividade, que desde o início da pandemia também é classificada como essencial. De maneira similar a outras profissões que estão na linha de frente no combate à pandemia, como profissionais de saúde, professores, policiais militares, bombeiros, os trabalhadores da mídia, por dever de ofício, se colocam em risco, garantindo à sociedade o acesso à informação correta e de fontes seguras.

Reposição de perdas

A pauta salarial, ainda sem entendimento entre as partes. O SJSC recusou a proposta patronal de reajuste de 3,8%, já que a inflação do período sem reajuste dos jornalistas (2019-2021) é de 10,24%.

Uma nova rodada de negociação está agendada para a próxima terça-feira, 22, às 10h30.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios