sábado, dezembro 3, 2022
InícioOPINIÃOAs falsas informações sobre o “déficit” da Previdência Social

As falsas informações sobre o “déficit” da Previdência Social

*José Álvaro de Lima Cardoso

No escasso e tendencioso debate que está havendo sobre a contrarreforma da Previdência Social – que está sendo encaminhada para aprovação no Congresso de forma afobada, justamente para não circular informações transparentes e autênticas – o principal argumento utilizado pelo governo tem sido o do déficit. O número do “déficit” de 2016, por exemplo, de R$ 149,73 bilhões (2,4% do PIB), é conta propositalmente distorcida, que compara apenas a relação entre o total de gastos com as aposentadorias e pensões, e o valor arrecadado através da contribuição dos trabalhadores e empregadores. O déficit é uma discussão crucial, porque se não houvesse viabilidade financeira para o pagamento dos atuais benefícios da Previdência Social, obviamente a mesma teria que ser reformada, e de forma rápida, pela importância capital que ocupa na estrutura social e econômica brasileira.

Este é um debate difícil para quem busca o aprofundamento de tema tão árido. Não dá para tratar de um sistema complexo como o da Seguridade Social (Previdência, Saúde e Assistência Social), de maneira superficial e açodada, como faz boa parte dos participantes da discussão. Isso só beneficia quem deseja implodir o sistema (e estes têm muito poder). Por exemplo, como convencer as pessoas que o problema do déficit público não é a Previdência e sim o pagamento de juros da dívida pública, que consome quase metade dos gastos do orçamento do Governo Federal, sem um debate aprofundado e minucioso? Enquanto o déficit anunciado da Previdência pelo governo é de 149,7 bilhões de reais, o governo entrega ao setor privado algo em torno de 501 bilhões ao ano, ou seja, 8% do PIB. A conta pública não fecha, não pela Previdência, mas, principalmente, pelo gasto com a dívida pública, cujos fundamentos não sobreviveriam a uma Auditoria criteriosa, conforme determinou a Carta Magna de 1988, o que nunca foi cumprido pelos sucessivos governos.

A receita da Seguridade só não é ainda mais folgada em decorrência da política de desoneração da folha de pagamento das empresas, opção adotada desde o governo anterior no combate aos primeiros sinais da crise econômica, e que é um dos fatores da deterioração das contas da Seguridade Social. As renúncias da previdência social somente nos últimos seis anos, totalizaram R$ 270 bilhões. Ademais, dos 271 bilhões de reais concedidos em desonerações em 2016, 54% foram extraídos da Previdência. Outro problema crucial é a sonegação de impostos, que somente no ano passado tirou R$ 60 bilhões da Previdência. A evasão total de divisas e a sonegação fiscal de empresas brasileiras alcançam quase R$ 500 bilhões e a dívida das empresas com a Previdência Social acumula R$ 426 bilhões, três vezes o suposto déficit da Previdência em 2016. Na lista das empresas devedoras da Previdência, há gigantes como Bradesco, Caixa Econômica Federal, Marfrig, JBS (dona de marcas como Friboi e Swift) e Vale.

A Associação Nacional dos Auditores Fiscais (Anfip), em parceria com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e a Plataforma Política Social, lançaram recentemente o livro A Previdência Social em 2060: as inconsistências do modelo de projeção atuarial do governo brasileiro, que mostra as escandalosas imprecisões nas estimativas elaboradas pelo governo federal nos últimos anos. O livro revela, ademais, as inconsistências das premissas utilizadas pelo governo Temer para calcular o déficit da Previdência, o que fica bem claro no referido trabalho, organizado pelos economistas Claudio Castelo Branco Puty e Denise Lobato Gentil, especialistas no assunto.

Dos artigos do livro, entre várias constatações fundamentais, fica evidente que quanto maior o período de projeções estatísticas para o futuro, maior é o risco de erros. Os autores mostram, por exemplo, que ao longo dos anos, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) projetou necessidade de financiamento do Regime da Previdência Social muito maior do que aquele que se verificou de fato. Ou seja, o déficit projetado pela LDO supera, quase sempre em números significativos, o déficit verificado. Claro que, no que se refere a orçamento, especialmente o orçamento público, é sempre bom manter uma postura realista, com viés pessimista. Mas é que esse pessoal do governo tem “exagerado”.

É bom ter claro que, nestas projeções, a imprecisão estatística é o problema menor. Tem também aí intenções que não podem ser confessadas. Os modelos atuariais utilizados pelo governo, por exemplo, para defender a tese de que a contrarreforma da previdência é inevitável, tem uma série de distorções propositais para iludir a boa fé das pessoas. É que no fundo, o objetivo da contrarreforma da previdência social não é para melhorá-la ou evitar o seu colapso, como afirmam. Pelo contrário, a intenção é inviabilizá-la para abrir espaço para os bancos venderem planos de previdência privada. A privatização da previdência social compõe o pacote de maldades do governo, que é muito mais completo. Somente no campo das relações de trabalho, inclui ainda a reforma trabalhista, a terceirização sem limites e a EC da Morte, que congela gastos sociais por 20 anos para pagar a dívida, e que já está em vigor.

*Economista.

RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

  1. Enquanto isso, “Na corrida para garantir os 308 votos necessários à aprovação da reforma da Previdência na Câmara, o governo Temer negocia com ruralistas um programa de parcelamento (Refis) de 15anos para dívidas em atraso da contribuição ao Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural) e acena com novas mudanças na proposta”. Ou seja, você vota para mim e eu perdoou suas dívidas. Tá claro?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios