sábado, dezembro 3, 2022
InícioAÇÃO SINDICALNegociações com donos de jornais não avançam

Negociações com donos de jornais não avançam

Em nova mediação promovida pelo Ministério Público do Trabalho nesta terça-feira (9), as negociações salariais com os representantes das empresas de Jornais e Revistas do Estado de Santa Catarina (Sindejor/SC) não avançaram. Coordenado pelo Procurador Alexandre Medeiros da Fontoura Freitas, o encontro não chegou a uma resolução sobre o impasse com os jornalistas.

A proposta do segmento empresarial “evoluiu” 0,09%, passando de 4,91 para 5% de reajuste no piso e nos demais salários. A inflação do período foi de 9,83%. Em outras palavras, a proposta dos empresários é de arrocho nos salários dos jornalistas. Os representantes jurídicos do sindicato patronal alegaram a “impossibilidade” das empresas pagarem a inflação, não avançando em relação à última negociação, realizda em julho.

“Infelizmente, foi mais um momento onde a representação patronal fez uma proposta indecente. Esperamos que se os patrões quiserem sinceramente chegar a um acordo, revejam sua posição para podermos ter uma negociação que valorize o trabalho dos jornalistas”.

Já o Sindicato dos Jornalistas considerou a proposta insuficiente, citando como exemplo outros estados onde já houve julgamento de dissídios assegurando a menos a reposição das perdas provocadas pela inflação, como Pernambuco e Rio Grande do Norte. Os jornalistas de Santa Catarina reivindicam a reposição da inflação, mais um aumento real de 5% para o piso salarial e para os demais salários.

Empresas de Rádio e Televisão não reconhecem jornalistas

Mais uma vez, o Sindicato dos Jornalistas cobrou a ausência do Sindicato das Emissoras de Rádio e Televisão (Sert/SC) na mesa de negociação, setor que emprega 43% dos jornalistas que trabalham em redações no estado de SC. O Sindicato enviou ofício à entidade, cobrando sua presença na negociação, mas o SERT respondeu que negocia apenas com o Sindicato dos Radialistas, representante da “categoria preponderante”.  Ou seja, nega-se a reconhecer os jornalistas como categoria diferenciada, como determina a legislação brasileira.

Sem acordo, a próxima audiência ficou marcada para 31 de agosto, quando o segmento patronal se comprometeu a trazer propostas que melhorem as cláusulas econômicas e sociais.

RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

  1. Oi pessoal, tudo bem? Gostaria de saber como foi a reunião do dia 31/08 .. Como ainda não temos nenhuma matéria ou nota no site sobre o assunto, gostaria de saber o que ficou resolvido. Abraço

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios