quinta-feira, dezembro 1, 2022
Google search engine
InícioAÇÃO SINDICALQuem reprime os jornalistas agride a liberdade de imprensa

Quem reprime os jornalistas agride a liberdade de imprensa

O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina manifesta seu protesto e repúdio à violência policial registrada no sábado, 6 de maio, contra manifestantes que participavam da Marcha da Maconha, no Centro de Florianópolis. Num flagrante abuso de poder e cerceamento à liberdade de imprensa, a ação truculenta da PM vitimou também o jornalista Nícolas David, a estudante de Jornalismo e produtora Bianca Taranti e o repórter fotográfico Ramiro Furquim, que cobriam a marcha para o site Estopim.

Realizada há vários anos em várias cidades brasileiras, a marcha tem como principal bandeira a legalização da maconha. Nas 9 edições anteriores, a manifestação sempre ocorreu sem nenhum registro de violência. A edição de 2017, no entanto, ficou marcada pela repressão policial.

Vídeo: veja a ação truculenta da PM

Cerca de mil pessoas caminhavam pela Rua Felipe Schmidt, quando uma barreira policial interrompeu o ato nas proximidades da esquina com a Rua Pedro Ivo. Imagens postadas no Facebook atestam que, quando um dos integrantes do movimento tentou dialogar com o comando da operação policial, foi empurrado. Em seguida, recusando-se em negociar, policiais desferiram chutes, disparos de spray de pimenta e de balas de borracha contra os manifestantes.

Quando registrava a violência policial, a equipe do site Estopim foi agredida. Além de serem atingidos por spray de pimenta, Nícolas, Bianca e Ramiro foram atingidos com tapas na cabeça. O principal agressor foi o policial identificado como Cabo Cesar, que, não satisfeito com a barbárie produzida anteriormente, desferiu um chute no órgão genital do repórter fotográfico.

Estas não são atitudes dignas de agentes que deveriam ser responsáveis pela segurança pública. O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina cobrará providências da Corregedoria e do Comando da PMSC para a apuração de responsabilidades e punição dos responsáveis por mais este episódio de cerceamento às liberdades de expressão e de imprensa.

O SJS C também se somará a outras entidades e movimentos de defesa dos direitos humanos na promoção de uma profunda reflexão sobre a violência contra manifestações públicas, que agride dispositivos constitucionais e a democracia brasileira.

Florianópolis, 9 de maio de 2017

Diretoria do SJSC

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios