InícioNOTÍCIASMarcha dos Catarinenses exige mais investimentos em políticas públicas

Marcha dos Catarinenses exige mais investimentos em políticas públicas

A já tradicional Marcha dos Catarinenses mobilizou mais uma vez entidades dos movimentos social, sindical e popular de todo o Estado de Santa Catarina. O foco nesta quarta edição foram as denúncias e protestos contra os graves problemas que assolam a educação, a saúde e a segurança estadual.

Além de exigir a retomada de investimentos em políticas públicas e a valorização do trabalho e do trabalhador, a Marcha organizada pela Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) com participação representativa da CUT, de suas entidades filiadas e de parlamentares, marcou a luta pela mudança do atual modelo de desenvolvimento neoliberal e privatista que pauta as ações do governo estadual.

Partindo da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, a Marcha percorreu as ruas da capital catarinense, onde os manifestantes puderam dialogar e conscientizar a sociedade.

Um governo que recebe 7 bilhões de verbas federais, publiciza uma realidade ‘fantasiosa e mentirosa’ com a colaboração da imprensa burguesa e como contrapartida promove o sucateamento, a privatização, a terceirização e a precarização dos serviços públicos.

“A única forma de alterarmos esta conjuntura é se organizando e fazendo grandes manifestações nas ruas para, assim, arrancarmos nossas reivindicações. Não vamos admitir nenhuma retirada de direitos”, declarou Aldoir Kraemer, coordenador da CMS local e secretário de Políticas Sociais da CUT-SC.

A evidência do imobilismo do governador Raimundo Colombo (PSD) pode ser vista no caso recentemente da falta de segurança pública. Foram meses de terror com inúmeros ataques à população, em especial a classe trabalhadora e estudantil que utilizam o transporte coletivo.

Educação nota 0 – durante o trajeto, a Marcha dos Catarinenses passou pela Secretaria Estadual de Educação, onde representantes do sindicato dos professores (Sinte-SC) denunciaram o abandono da educação e relataram uma realidade alarmante: salas superlotadas, prédios em más condições e sem licenças legais, bibliotecas mau equipadas, gestão escolar marcada pelo assédio moral e abandono de políticas para a educação no campo.

Na base do fala uma coisa e faz outra, o governo Colombo desrespeitou o acordo celebrado junto aos professores durante a greve de 62 dias que se sucedeu em 2011. À época, o governador havia assumido o compromisso de honrar o reajuste do Piso Salarial Nacional conforme determinado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo informações repassadas pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), o pagamento do valor da remuneração instaurado pela Lei do Piso ainda não é respeitado por oito Estados brasileiros e outros 14 não cumprem integralmente. Santa Catarina esta incluído na lista destes 14.

“Queremos uma educação pública de qualidade para todos/as, com um projeto que priorize a permanência nas escolas. O que vemos hoje é o governo fechando escolas e construindo novas cadeias”, lamentou Anna Julia Rodrigues, secretária geral da CUT-SC.

Com as mobilizações desta quarta (8), os manifestantes conseguiram arrancar uma audiência com o Secretario Estadual de Educação que deverá ocorrer até a próxima quarta.

Privatização da Saúde – com as chamadas Organizações Sociais (OSs), o governo catarinense tem promovido uma verdadeira privatização da saúde, entregando um serviço de extrema importância para o povo nas mãos de empresários gananciosos cujo objetivo é apenas o lucro.

O governo se isenta de responsabilidades e, na prática, o que se vê são atendimentos de saúde apenas àqueles que possuem muito dinheiro para pagar.

Ao final da Marcha, os manifestantes promoveram um ato em frente a Câmara Municipal onde estava ocorrendo uma audiência para discutir a privatização do Hospital Florianópolis. “A implantação das OSs precariza os serviços, as condições de trabalho e colabora para a ampliação da terceirização. Nossa luta é por um SUS 100% público, gratuito, estatal e de qualidade”, atentou Neudi Giachini, presidente da CUT-SC. “Esta Marcha mostra que classe trabalhadora unida e mobilizada pode ser a grande indutora das transformações na sociedade“, acrescentou Vilmar Osovsky, secretário de Organização e Política Sindical da Central.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios