InícioNOTÍCIASDia Internacional da Mulher: Mulheres e homens jornalistas devem somar na luta...

Dia Internacional da Mulher: Mulheres e homens jornalistas devem somar na luta pela igualdade de oportunidades

No dia 8 de março o mundo comemora o Dia Internacional da Mulher, numa justa homenagem à luta histórica das mulheres pelo fim da opressão e da discriminação. No jornalismo, as mulheres tiveram, ao longo da história, importante atuação, participando de coberturas, denúncias e divulgação da exploração, violência e injustiças. Muitas jornalistas também foram ativistas dos direitos das mulheres e dos direitos humanos.

No século 21, a presença das jornalistas é cada vez mais expressiva e até mesmo majoritária nas redações e assessorias. Infelizmente, no entanto, está presença não é acompanhada da merecida valorização profissional. Queremos aproveitar o momento da campanha salarial para pautar a importância de salários iguais para trabalho de igual valor, a reafirmação da luta por creches públicas (ou, na falta, auxílio-creche), a necessidade de combater o assédio moral e todo tipo de violência contra a mulher na vida privada e pública.

Mulheres e mercado de trabalho

As Convenções 100 e 111 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), recomendam que seus países-membros ratifiquem e apliquem mecanismos para:

1) garantir a igualdade de remuneração de homens e mulheres por trabalho de igual valor;

2) eliminar a discriminação em matéria de emprego e ocupação.

No Brasil, essa meta permanece um desafio, pois prevalece a divisão sexual do trabalho. A igualdade de tratamento e de oportunidades entre homens e mulheres ainda está longe de ser uma realidade. Um contingente muito grande de mulheres é discriminado. Ganham menos nas mesmas funções, sofrem com a dupla jornada e enfrentam assédio moral e sexual no ambiente de trabalho.

No caso específico do mercado de trabalho da mídia, existem distorções no tratamento de gênero para as mulheres, expostas cotidianamente à discriminações. Mesmo em maioria nas redações e desempenhando as mesmas funções que os colegas do sexo masculino, as mulheres não ocupam proporcionalmente as chefias, ganham menos e são desconsideradas na seleção das vagas porque engravidam ou porque têm filhos ou filhas.

A luta do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina é pela paridade, ou seja, a construção de direitos iguais na profissão e na vida, com a equiparação salarial para as mesmas funções, o direito a acessar cargo de chefia e o respeito profissional independente de sexo. Também na campanha de negociação coletiva, queremos ampliar os direitos, com o aumento da licença- maternidade para 180 dias, a garantia da estabilidade da gestante, a garantia de um auxílio-creche (para homens e mulheres), além de ampliar a campanha pelo fim da violência no trabalho (que inclui aspectos da saúde, assédio moral, etc.).

Homens e mulheres jornalistas são chamados a somar na luta pela igualdade de oportunidades na vida e no trabalho, levando o debate para a campanha de negociação coletiva, na permanente valorização da profissão, que tem como pauta prioritária nesse momento a luta nacional em defesa do diploma.

Na foto, diretoras do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios