sexta-feira, dezembro 9, 2022
InícioOPINIÃOServilismo e arrogância

Servilismo e arrogância

Fomos ou somos colonizados, eu sei (decidam qual o melhor verbo). E isto explica muita coisa. A começar pela subserviência de muitos jornalistas e comentaristas políticos e econômicos, sempre que o país assume uma posição mais independente. A popularidade do atual governo é enorme, a despeito das críticas diárias da mídia. O Brasil da mídia parece pensar diferente do Brasil dos brasileiros. Há uma tentativa cotidiana de influenciar a opinião pública, mas o discurso parece não encontrar ressonância. Talvez nas classes média e rica, que leem Veja e acreditam! Mas o Brasil do chão de fábrica, de quem acorda de madrugada para ganhar salário mínimo, parece não concordar muito com o que escrevem e divulgam esses jornalistas. Aliás, sempre que o povo não vai para onde a elite gostaria que fosse, surgem análises apressadas para tentar elucidar o que aconteceu. O povo é visto apenas como massa de manobra. Direita e esquerda neste ponto se igualam e se alternam em dar explicações pouco convincentes, sempre que a plebe decide contrariamente aos seus interesses.

O Brasil, resultado de séculos de colonização estrangeira e artimanhas locais para não mexer no que é essencial, produziu cidadãos que preferem “macaquear” tudo que vem de outros países a afirmar a própria autenticidade. A começar pela língua. Há exagero de estrangeirismos. Hoje a comida é “delivery” e ninguém mais faz um intervalo para o café, todos preferem um coffee break. Parecem optar pela culta submissão a uma altivez mais cabocla, mais original. Nossa grã-finagem tem vergonha da língua portuguesa e quer distância de tudo o que é popular, daí essa tentativa tão desesperada quanto patética de se identificar com o modelo europeu ou norte-americano.

Só mesmo essa mistura de servilismo com arrogância é capaz de explicar as análises de alguns jornalistas, notadamente na TV, onde proliferam argumentos toscos e de pouca lógica. Para não falar em inteligência e sensatez. Na política externa, tudo que parece incomodar os Estados Unidos também incomoda nossos comentaristas. Disseram que a política de buscar alianças com países de menor expressão era equivocada. Não foi o que aconteceu. Num mundo em que a liderança política dos Estados Unidos é incerta, em que novos atores têm a pretensão de subir ao palco, o Brasil teve papel importante ao articular-se com outros países para questionar a diretriz econômica mundial do G-8. Hoje é impensável formular políticas de impacto global sem, pelo menos, o G-20. Para quem ainda não se atualizou sobre o que está ocorrendo na geopolítica internacional, basta dizer que, até 2050 os países do BRIC – Brasil, Rússia, Índia e China –, juntos, devem superar as economias dos seis países mais ricos do mundo (EUA, Japão, Alemanha, Reino Unido, França e Itália). O BRIC representa hoje mais de 40% da população mundial.

Essa ascensão econômica e política não evitará arranhões. Liderança implica em meter a colher onde se é chamado – e às vezes até onde não se é chamado a interferir diplomaticamente. Quer os Estados Unidos e os principais países europeus gostem ou não. Como aconteceu no caso de Honduras, um golpe que teve a complacência da mídia brasileira. Ou no caso da visita do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. “O Brasil não tem nada a ganhar e arrisca o seu prestígio”, foi a crítica mais branda de tudo que disseram alguns dos mais famosos jornalistas da TV brasileira.

O futuro do planeta passa pelas relações do Ocidente com o Oriente e não será pelo isolamento político ou pelas armas de guerra que os problemas serão resolvidos. Basta ver o que toda a força militar foi capaz de produzir no Iraque e no Afeganistão. Boa parte dos comentaristas de jornais, rádios e tevês insistiram em desconsiderar o óbvio: os três dirigentes mais emblemáticos dos conflitos que podem redesenhar o mundo, aceitaram a mediação do presidente Lula como um possível interlocutor na mais delicada questão política do momento. Os presidentes de Israel, Shimon Peres, da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas e do Irã, Mahmoud Ahmadinejad vieram ao Brasil praticamente em sequência. Se fosse Obama, os comentaristas elogiariam a liderança política. Diriam que é o que se espera de um Nobel da Paz. Se é Lula, a diplomacia é suspeita, contestável, duvidosa, arriscada. Típico de mentes colonizadas. E de quem manipula informação construindo países “perigosos” conforme os interesses em jogo. Já foi a Nicarágua e o Vietnã, e agora são o Iraque, o Afeganistão e o Irã. Porque com a China ninguém se mete.

É preciso “demonizar” para legitimar o uso da força – inclusive militar. Nunca é bom esquecer – e disso nossos comentaristas jamais lembram – que o país que mais se envolveu em guerras no século 20, que apoiou golpes e ditaduras em todo o planeta, o país que mais bases militares espalhou pelos cinco continentes (865 pela lista do Pentágono, o que corresponde a 95% do total), que tem o maior orçamento militar (mais de US$ 500 bilhões), não é o Irã, nem o Iraque, tampouco o Afeganistão, a despeito de todo o mal que possam um dia vir a causar. Este país é os Estados Unidos, o único até hoje, a fazer uso de armas nucleares em uma guerra – e contra populações civis. E que está instalando sete bases militares na Colômbia, na fronteira da Amazônia (sim, a guerra pelo controle dessa região estratégica para o futuro já começou, mas só vai ser declarada mais adiante).

Trata-se de um país que declarou para quem quisesse ouvir que se reservava o direito de agir “unilateralmente quando necessário”, incluindo “uso unilateral de poderio militar” para defender interesses vitais, tais como “o acesso ilimitado a mercados-chave, suprimentos de energia e recursos estratégicos”. Tradução mais simples: dane-se o direito internacional quando houver interesse dos Estados Unidos. Segundo Noam Chomsky, professor do MIT – Massachusetts Institute of Technology – “os Estados Unidos são um Estado fora da lei”. Basta conferir a história. Perigoso, não?

É justo que todos queiramos acabar com a ameaça nuclear no planeta, mas é preciso que os países que possuem bombas atômicas comecem a desativá-las. Ou seremos tão cínicos a ponto de aceitar que apenas alguns “eleitos” poderão destruir o planeta se acordarem, quem sabe, algum dia, de mau humor?

Autor:Celso VicenziJornalista, ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas/SC, assessor de imprensa de um sindicato de trabalhadores e de uma cooperativa de crédito. Publicado originalmente em www.acontecendoaqui.com.br

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios