Inicial / AÇÃO SINDICAL / Ministério Público aciona Band-SC na Justiça do Trabalho
Leonel Camasão/SJSC

Ministério Público aciona Band-SC na Justiça do Trabalho

A Band Santa Catarina se tornou ré em uma Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). A empresa sofre duas acusações: atraso recorrente em salários e férias dos empregados e fraude nos contratos de trabalho, ao registrar todos os seus profissionais de jornalismo como radialistas. O processo, de 834 páginas, teve origem em uma denúncia realizada pelo Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina em julho de 2015.

Além da imediata regularização dos profissionais e do pagamento correto de salários e férias, o Procurador do Trabalho Acir Alfredo Hack pede multa por dano moral coletivo de R$ 1 milhão de reais. O caso está nas mãos da juíza Maria Aparecida Ferreira Jerônimo, no Tribunal Regional do Trabalho da 12a Região.

A Band-SC atrasou salários de maneira recorrente entre fevereiro e setembro de 2016. A empresa também havia cometido atrasos em 2013 e 2015.

A emissora também se nega a reconhecer os profissionais de jornalismo, contratando-os como radialistas. Tal prática ocorre porque o piso salarial dos radialistas é menor, e a jornada de trabalho, maior. Os repórteres cinematográficos, por exemplo, são contratados como Operadores de Câmera Externa.

“Prática repulsiva”

O procurador Acir Alfredo Hack classificou a prática da Band em adulterar os contratos dos jornalistas e a insistência em não reconhecer os profissionais como “repulsiva”.

“O próprio Tribunal Superior do Trabalho já reconheceu a existência de jornalistas em empresas de radiodifusão de SC ao julgar, em 2006, dissídio coletivo envolvendo o Sindicato das Empresas de Rádio eTelevisão de Santa Catarina (Sert), ao qual a Band-SC é filiada. A empresa Ré ignora o fato de que a profissão de jornalista, trata-se de categoria diferenciada”, afirma o procurador na Ação Civil.

Segundo o Ministério Público do Trabalho, o enquadramento profissional e sindical configura-se como um procedimento essencial para o desenvolvimento das relações de trabalho, uma vez que é através dos Sindicatos que os trabalhadores identificam as normas coletivas da categoria a que estão sujeitos e quem os representa.

Irregularidades ocorrem em todas as emissoras,

O presidente do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, Aderbal Filho, o Deba, sustenta que as irregularidades nos contratos de trabalho dos jornalistas não são uma especificidade da  Band. “Embora os casos da Band-SC e do SBT-SC sejam os mais graves, pois todos os profissionais de jornalismo são enquadrados como radialistas, ao arrepio da lei, há irregularidades também na RBS e na RIC-Record”, diz.

Segundo ele, as irregularidades patronais nas empresas de rádio e TV ocorrem também em outros estados do país. Sindicatos de Jornalistas e a FENAJ vêm, há várias gestões, combatendo esta prática ilegal e imoral. É por isso o Sindicato dos Jornalistas está provocando o Ministério Público e a Justiça para tentar reverter esse quadro de irregularidades, como já vem ocorrendo em outros estados.

Tente também

Sem pagar salários, TV Catarina suspende programação local

Sem pagar salários há mais de 60 dias, a TV Catarina (antiga Band-SC) está sem …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: