sexta-feira, dezembro 9, 2022
InícioCAPA1º de Maio: trabalhadores querem saúde, emprego, renda e democracia

1º de Maio: trabalhadores querem saúde, emprego, renda e democracia

Pela primeira vez na história do movimento sindical, a celebração do dia 1º de Maio vai se dar sem que a classe trabalhadora ocupe as ruas para defender o direito ao trabalho digno e a produção de riquezas com justiça social. Um vírus novo e potente impõe como necessidade o distanciamento social, ao mesmo tempo em que aprofunda a crise capitalista, com mais perdas para os trabalhadores e trabalhadoras. Por isso, a palavra de ordem é ninguém nas ruas, mas toda a classe trabalhadora mobilizada.

Em tempos de pandemia, as lutas se cruzam e a maior batalha é pela vida. A tragédia sanitária provocada pelo novo coronavírus é também tragédia humanitária nos países em que a saúde e a vida da maioria da população são menosprezadas e a classe trabalhadora é abandonada à miséria por governos que insistem em ser legítimos representantes do capital.

No Brasil, o governo de Jair Bolsonaro atua penalizando a classe trabalhadora e, neste momento de crise, continua adotando medidas sanitárias e econômicas que não contribuem para tranquilizar o povo brasileiro. Na saúde, age com negligência, expondo a população brasileira ao risco. Na economia, mais uma vez, o governo cobra sacrifícios de quem já está bastante sacrificado.

A classe trabalhadora perdeu direitos históricos com a implementação das contrarreformas trabalhista e previdenciária e segue sendo vilipendiada. Se antes da pandemia, o desemprego, o crescimento vertiginoso da informalidade e a diminuição da renda já assombravam os trabalhadores e trabalhadoras, agora a morte, por doença ou miséria, está à espreita.

Em vez de tomar medidas para proteger a saúde, o emprego e a renda da maioria da população, o governo insiste em privilegiar a saúde financeira das empresas. Primeiramente, a MP 927 e, posteriormente, a MP 936 trouxeram medidas excepcionais, como a redução de salários (com uma suposta redução de carga horária) e a permissão de suspensão temporária dos contratos de trabalho, sem a garantia da renda do trabalhador e da trabalhadora.

Mesmo em atividades que não cessaram, como é o caso do Jornalismo, as empresas – inclusive as grandes – estão aproveitando a brecha aberta pelo governo para reduzir salários e/ou suspender contratos de trabalho. Os profissionais jornalistas são chamados a cumprir seu papel social de informar a sociedade, são expostos ao risco de contaminação pelo novo coronavírus e, contraditoriamente, têm cortes em seus salários. Mais grave ainda são os casos de suspensão dos contratos de trabalho e de demissões que continuam ocorrendo, mesmo com a pandemia e a necessidade crescente da difusão de informações jornalísticas.

Pelo trabalho, garantidor das riquezas, pelos direitos da classe trabalhadora e também pela fraturada democracia brasileira, é preciso estar atentos, unidos e fortes. No Brasil e no mundo, trabalhadores e trabalhadoras não vão ocupar as ruas, mas estarão mobilizados para celebrar e exigir. Exigir relações e condições de trabalho que garantam vida digna a todos e todas. Exigir o respeito à organização de classe. No caso do Brasil, exigir a prevalência do Estado de Direito e das regras democráticas estabelecidas pela Constituição.

Neste Dia Internacional do Trabalhador, se não nas ruas, a classe trabalhadora estará unida virtualmente. As atividades de celebração e de luta serão realizadas de forma unitária pelas centrais sindicais, frentes e movimentos populares, numa grande manifestação virtual, a partir das 11h30.

Para se juntar ao 1º de Maio coletivo e solidário, basta acessar o link do evento https://www.facebook.com/events/3020319574748780/

#DiaDoTrabalhador
#SaudeEmpregoRenda
#ValorizaOJornalismo
#ValorizeOJornalista
#ForaBolsonaro

Brasília, 30 de abril de 2020.

Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios