quinta-feira, dezembro 1, 2022
Google search engine
InícioDEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIAPlenária nacional e ato político marcam os 25 anos do FNDC

Plenária nacional e ato político marcam os 25 anos do FNDC

Um ato em homenagem aos 25 anos do Fórum Nacional da Democratização da Comunicação (FNDC) marcou a XIX Plenária Nacional da entidade, realizada em São Paulo de 21 a 23 de abril. A atividade contou com as participações de Celso Schröder, presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), Marcos Dantas, professor da UFRJ, Rosane Bertotti, coordenadora do FNDC e da deputada federal Luiza Erundina (PSOL/SP), coordenadora da Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito à Comunicação na Câmara dos Deputados. A XIX Plenária elegeu a nova coordenação do FNDC e seu plano de lutas para os próximos 2 anos, centrado no imediato combate ao impeachment, caracterizado como golpe institucional.

Ex-coordenador do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, Schröder fez um breve resgate da conjuntura que inspirou a criação do Fórum, fundado inicialmente como movimento social, lembrando que a ideia nasceu de uma tese apresentada pelo jornalista Daniel Herz e os colegas Beth Costa e Sérgio Murillo de Andrade, no 24º Congresso Nacional da categoria, realizado pela FENAJ em Florianópolis, em 1990. Ele resgatou que a mobilização pela democratização da comunicação teve uma vitória parcial com a inclusão do capítulo das Comunicações na Constituição de 1988, mas que a maioria das propostas não foi aprovada. “Com a derrota na Constituinte, que não acolheu as principais propostas de democratização da comunicação, percebemos a necessidade de fundar um movimento que unisse não somente profissionais da comunicação, mas que fosse um movimento de massas, com características de movimento social, articulando vários segmentos e formado por comitês”.

O professor Marcos Dantas mostrou preocupação com o avanço dos conglomerados internacionais de comunicação, que segundo ele desafiam a soberania dos países e os próprios movimentos pela democratização do setor. “Mas temos o que comemorar. Conquistas como o Marco Civil da Internet e a Lei do Cabo (que impõe um limite mínimo de programação nacional para as emissoras estrangeiras que operam o serviço no país), por exemplo, são resultado da atuação do Fórum”.,

A deputada Luiza Erundina, coordenadora da Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito à Comunicação com Participação Popular (Frentecom), afirmou que a reforma nas comunicações é prioritária para o país. Filha de agricultores pobres forçados a migrarem a cada seca, Erundina disse que até compreender a importância estratégica da comunicação, acreditava que a reforma agrária era sua luta prioritária. “Hoje, tenho a convicção de que quando a gente conseguir democratizar os meios de comunicação de massa e o povo tiver direito não só de assistir, mas também de informar, de se manifestar, de transmitir ideias, valores, concepções e cultura, aí, sim, todas as outras reformas se farão por força da sociedade”.

Com 82 anos e um vigor impressionante em prosseguir na luta em favor das causas populares, a parlamentar emocionou a plateia ao relembrar sua trajetória política. Referindo-se ao atual momento do país, Erundina caracterizou o processo de impeachment contra a presidente da República como um golpe. E criticou a política econômica, o ajuste fiscal e as alianças do PT e do governo, que “dormiu com o inimigo”, formando um presidencialismo de coalização onde “se ganha a eleição e se perde o poder, que fica nas mãos dos mesmos, inclusive aqueles que sustentaram e deram o golpe militar de 1964”. Fez tal crítica incluindo-se no movimento social e como quem “está sofrendo a dor e a tristeza de quem se sente ameaçado diante da perda das conquistas que valeram vidas”.

Rosane Bertotti, coordenadora geral do Fórum, fechou o ato agradecendo a todos os que constroem a luta pelo direito à comunicação no Brasil. “Há dois anos realizávamos uma plenária cujo tema era ‘democratizar a comunicação’. Esse tema continua atual e muito apropriado para hoje, quando há um golpe em curso para destituir uma presidenta eleita legitimamente e que conta não só com o aval, mas com o empenho da grande mídia, concentrada, monopolizada e que quando não invisibiliza, criminaliza as lutas da classe trabalhadora. Então, nós, do FNDC, temos um desafio ainda maior, que é estar ao lado daqueles que defendem a própria democracia. Democratizar a democracia é também uma luta nossa, porque sem mídia democrática não há democracia!”.

Para comemorar os 25 anos de sua fundação, o FNDC fará uma série de ações, como o lançamento de um concurso cultural para escolha de um selo comemorativo. O objetivo é valorizar o trabalho de artistas e designers que se identificam com a pauta, concedendo uma premiação a quem vencer.

Nova coordenação

Ao final da XIX Plenária Nacional do FNDC, foi eleita a nova Coordenação Geral e conselhos Deliberativo e Fiscal do FNDC, que nos próximos 2 anos será capitaneado pela jornalista Renata Mielli, do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé. Juntamente com a Frente Brasil Popular, o FNDC prepara para o dia 5 de maio mobilizações em torno do Dia Nacional de Luta contra o Golpismo Midiático. O principal eixo das manifestações populares será a denúncia do monopólio privado nas comunicações – representado principalmente pelas Organizações Globo e na discussão com a sociedade de que o monopólio no setor fere a democracia, a liberdade de expressão e o direito à comunicação.

Com informações do FNDC e da FENAJ

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios