quarta-feira, dezembro 7, 2022
InícioOPINIÃOEm defesa da profissão

Em defesa da profissão

Os jornalistas brasileiros tiveram uma grande vitória com a aprovação, pelo Senado, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 33. A PEC do Diploma, como ficou conhecida, restabelece a exigência da formação de nível superior, específica em jornalismo, para o exercício da profissão.

A exigência do diploma fora derrubada pelo STF, em 2009. Uma decisão obscurantista, que representou um retrocesso não somente para a categoria dos jornalistas, mas para toda a sociedade brasileira.

É a qualidade do jornalismo que está em jogo. Os jornalistas brasileiros lutam pela profissionalização da atividade não por corporativismo, mas principalmente para que a sociedade possa usufruir do direito à informação e à liberdade de expressão.

Os jornalistas são os defensores do jornalismo como atividade essencial à democracia e à cidadania. Ao contrário do que alardeiam alguns, o jornalismo não está perto de seu fim e sua defesa é urgente e necessária. Isto significa compreender que as demandas sociais que levaram ao surgimento do jornalismo não desapareceram.

Interesses patrimonialistas

Se existe crise do jornalismo, a superação desta crise se dará pela prática e valorização do bom jornalismo, com a apuração rigorosa da informação, competência técnica, independência e compromisso ético. É necessário enfrentar uma insistente cultura de vale-tudo, em que técnica e ética dão lugar ao oportunismo e à rapidez. Onde sedução e servilismo ao leitor/espectador/ouvinte substituem o compromisso com o interesse público.

O momento é de resgatar o jornalismo e o jornalista como autor e criador intelectual, profissional capacitado e qualificado para fazer o relato singular sobre os fatos da realidade imediata e para tornar públicas as mais diversas ideias e opiniões, permitindo a constituição da esfera pública e, consequentemente, da liberdade de expressão.

A PEC do Diploma resgata o jornalismo como atividade profissional. Resgata também o jornalista como profissional que exerce o jornalismo. Não basta querer ser jornalista nem ter dom para a fala ou para a escrita. Para ser jornalista, é preciso se formar jornalista, adquirindo os saberes e competências técnicas específicos da profissão.

A PEC será submetida à votação na Câmara dos Deputados, mas certamente será aprovada. Os congressistas brasileiros já demonstraram estar sintonizados com a opinião pública, que reconhece a importância do jornalismo e do jornalista profissional. O ataque a ambos é feito somente por quem tem interesses particulares e patrimonialistas, muito diferenciados dos interesses da sociedade em geral.

Autor:Celso Augusto SchröderCelso Augusto Schröder é presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e da Federação dos Jornalistas da América Latina e Caribe (Fepalc)

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios