sábado, dezembro 10, 2022
InícioNOTÍCIASJornalismo: empresas concentram poder

Jornalismo: empresas concentram poder

Por Nilo Sergio S. Gomes – Jornalista, professor da Escola de Comunicação da UFRJ.

28.06.2010 – Das recentes derrotas dos jornalistas brasileiros no campo de seus direitos trabalhistas e de condições de vida e trabalho, a queda do diploma é a mais emblemática, por envolver a Suprema Corte do país. Essas derrotas demonstram, por sua vez, o mais completo enfraquecimento da capacidade de luta e resistência da categoria, nas últimas décadas.

Os jornalistas – trabalhadores que são – não têm conseguido impor resistência à altura dos ataques sobre os seus direitos, o principal deles exercer uma atividade profissional especializada, devidamente regulamentada e que exige formação em nível de ensino superior. Essas especificidades da profissão não devem, contudo, esconder e nem ocultar as relações sociais e de trabalho nas quais e das quais está investida.

Trabalho assalariado, em geral mal remunerado e que sobrevive a duras penas em um mercado que, pelo reverso, é cada vez mais concentrado e concentrador de capital e de poder. Poder econômico e poder político, portanto. Ou seja, dois movimentos distintos e opostos: trabalho enfraquecido e capital cada vez mais forte.

Esta é a realidade dos jornalistas brasileiros, que revela ao mesmo tempo a fragilidade das entidades sindicais e de defesa da categoria, enquanto as empresas se fundem e concentram poder de ditar as regras, controlando o mercado da folha impressa aos portais e conteúdos da internet. Empresas que agora são internacionais, como no Rio, onde um grupo português acaba de comprar o jornal O Dia. Na mídia, isto é, nos meios de comunicação de um modo geral, o capital se internacionaliza e concentra. No reverso, o jornalista agora tem que ser multimídia: foto, filme e texto.

Concentrar é da natureza mesma do capital, assim como resistir e lutar é da natureza própria dos que trabalham. Mesmo com iniciativas como “eu repórter”, “eu fotógrafo”, “eu comentarista” , que as empresas hoje incentivam, em todo tipo de mídia, diariamente e a cada momento as pessoas buscam notícias, informações e análises jornalísticas. E as encontram em jornais, rádios, tevês, portais e blogs da internet. Isso porque diariamente milhares de jornalistas e trabalhadores de empresas de comunicação em geral trabalham, renovando as edições dos “produtos” dos quais estão a serviço. Por mais avançadas que sejam as tecnologias de produção, não há como escamotear as relações sociais e de trabalho presentes na realização mesma dos produtos jornalísticos. O que os jornalistas precisam, portanto, é resistir e lutar com mais competência.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios