InícioREFORMA POLÍTICACâmara derruba "distritão" e financiamento privado

Câmara derruba “distritão” e financiamento privado

img201505262216138017358A Câmara dos Deputados impôs duas derrotas ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), entre a noite de terça e o início da madrugada de quarta-feira, 27 de maio.  As propostas e emenda a constituição (PECs) que acabavam com o sistema eleitoral proporcional e oficializavam o financiamento privado de campanhas e partidos foram derrubadas no plenário.

Ainda na noite de terça, a Câmara rejeitou a proposta do “distritão” por 267 votos contrários e 210 favoráveis. Como é uma emenda à Constituição, a proposta necessita de dois terços dos votos – 308, ao todo – para ser aprovada. Ela previa que cada estado tornaria-se um único distrito, onde os mais votados fossem eleitos, eliminando o sistema proporcional. Segundo o International Institute of Democracy (Idea) apenas quatro países, de uma lista com 200 nações, adotam este sistema: Afeganistão, Jordânia e as ilhas Vanuatu e Pitcairn, esta última com apenas 50 habitantes.

Já na madrugada de quarta, a expectativa é de que a proposta de Cunha sobre financiamento das campanhas seria aprovada em plenário. Porém, mesmo obtendo maioria dos votos – foram 264 parlamentares favoráveis e 207 contrários – o projeto não obteve os 308 votos mínimos para ser aprovado. Ao todo, 42 parlamentares se abstiveram ou estavam ausentes na hora da votação, o que prejudicou a proposta defendida por Eduardo Cunha.

Parlamentares e juristas comemoram “vitória da democracia”

Parlamentares, juristas e lideranças de movimentos contra a corrupção e pela reforma política comemoraram os resultados da votação de ontem. Idealizador do Ficha Limpa e da iniciativa chamada “Reforma Política Democrática e Eleições Limpas”, o juiz Márlon Reis, do Maranhão, afirmou pelo twitter.  “Ontem a sociedade se livrou do distritão e da constitucionalização das doações empresariais. Agora é seguir na nossa iniciativa popular.”

A líder do PCdoB, Jandira Feghali (RJ), comemorou os resultados. “O Plenário ter rejeitado com 207 votos contrários é a garantia de que a reforma pode extirpar de uma vez por todas o dedo do poder econômico nas eleições”, afirmou, pelo Facebook.

O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) criticou o modelo de financiamento privado em suas redes sociais. “Manter o financiamento empresarial de campanha no nosso país, depois de tudo que já foi descoberto na Operação Lava Jato seria uma vergonha! O financiamento empresarial alimenta a corrupção. Na Lava Jato os próprios acusados afirmam que não é possível distinguir doação de propina”, disse.

A proposta liderada por Reis conta com apoio da OAB, CNBB e da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), além de outras 100 organizações. Até o momento, foram recolhidas cerca de 650 mil assinaturas em apoio ao projeto. Para ir a plenário, a proposta precisa de cerca de 1,5 milhão de assinaturas.

Líderes do DEM e PMDB criticaram rejeição

O líder do PMDB, deputado Leonardo Picciani (RJ), defendeu a constitucionalização do financiamento privado. O financiamento de empresas é objeto de uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF), que já teve o voto de seis ministros contrários a esse modelo, mas está há mais de um ano nas mãos do ministro Gilmar Mendes, que não libera seu voto. “Quem tem de decidir sobre isso é o Parlamento. O bom senso nos manda definir esse tema hoje, porque senão estaremos na mão do Poder Judiciário”, disse.

O líder do DEM, deputado Mendonça Filho (PE), afirmou que acabar com o financiamento privado é incentivar a doação ilegal de empresas e o caixa dois. “Ficar sem doação legal de empresas em campanhas é incentivar o caixa dois, é fomentar o sistema de financiamento ilegal”, disse.

Da Redação, com informações de agências

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios