InícioNOTÍCIASIntolerância e obscurantismo: FENAJ repudia violência contra jornalistas no Rio

Intolerância e obscurantismo: FENAJ repudia violência contra jornalistas no Rio

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), organização máxima de representação dos jornalistas brasileiros, repudia de maneira veemente a violência sofrida por repórteres fotográficos e cinematográficos, no último dia 24, no Rio de Janeiro, quando faziam a cobertura jornalística da soltura de manifestantes que estavam presos. A Federação reitera a denúncia que vem fazendo nos últimos anos da existência de grupos que, não tolerando a atividade jornalística se valem da violência para impedir o trabalho de profissionais, cujo compromisso principal é o de divulgar os fatos de interesse público.

O tumulto e agressões ocorreram em frente ao Complexo Penitenciário de Bangu, na zona oeste do Rio, após a saída de três ativistas presos em manifestações anteriores. O repórter cinematográfico Tiago Ramos, do SBT, foi derrubado por manifestantes e ficou ferido na boca, no braço e tornozelo. Também derrubado, o repórter fotográfico André Mello, do jornal O Dia, teve o equipamento danificado.

A FENAJ não reconhece nesses grupos qualquer legitimidade. Nenhum movimento social ou representante do estado pode agredir jornalistas com o intuito de constrangê-los e assim impedir a circulação de informação. Lembra a memória de Santiago Andrade para reafirmar a dignidade do trabalho dos jornalistas brasileiros comprometidos com a verdade e o interesse público.

Os jornalistas agredidos ontem tiveram seus direitos humanos fundamentais de expressão, de comunicação e de trabalho violados. As agressões que eles sofreram precisam ser repudiadas por todos aqueles que defendem os direitos humanos, pelos que lutaram e lutam pela democracia e pelo fim da censura e por todos, enfim, que apostam na liberdade, na tolerância, no respeito e na inclusão como forma de organizar a sociedade.

A Federação dos Jornalistas, desde o início da escalada de agressões contra os profissionais da comunicação, vem se dirigindo a sociedade brasileira para que não tolere esta violência, que é prática de indivíduos e grupos que a exercem como tática política.

A FENAJ vem exigindo do estado brasileiro que exerça sua prerrogativa de antecipar, prevenir e impedir qualquer tipo de violência contra os jornalistas brasileiros. O resultado parcial foi alcançado com a criação, por parte da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e do Ministério da Justiça, de um Observatório da Violência Contra Comunicadores.

Este Observatório, proposto pela FENAJ, deverá ser de caráter público e permitirá ao país identificar os verdadeiros números da violência, acompanhar as denúncias e os processos policiais e judiciais e assim ajudar a diminuir a impunidade, causa principal de reincidência da violência contra quem tem por missão a divulgação de fatos de interesse público.

Além disso, a FENAJ luta pela federalização das investigações dos crimes contra comunicadores e pela implementação de um Protocolo Nacional de Segurança dos Jornalistas, a ser assumido pelas empresas jornalísticas. Também continua cobrando do Ministério da Justiça uma posição clara de orientação às forças policias dos diversos estados brasileiros para garantir a integridade dos jornalistas, quando em trabalho nas coberturas que envolvam qualquer risco.

A FENAJ, em nome da liberdade de expressão, da liberdade de imprensa e do direito humano à comunicação, solidariza-se com os companheiros vítimas das agressões e mais uma vez denuncia a violência contra jornalistas como fruto da intolerância e do obscurantismo.

Brasília, 25 de julho de 2014
Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios