quinta-feira, dezembro 1, 2022
Google search engine
InícioCRÍTICA DE MÍDIAO que dizem os silêncios da cobertura dos protestos de março?

O que dizem os silêncios da cobertura dos protestos de março?

Mariana Rosa*

Ao longo da semana, os protestos do dia 13 de março, realizados em diversas cidades brasileiras pedindo o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, foram repercutidos pela imprensa como a maior manifestação política do país. Pouco espaço se deu, no entanto, para o teor dos discursos professados na situação. Que a reivindicação principal era o combate à corrupção, sobretudo a praticada pelo PT, fica evidente em todos os registros, pelos dizeres estampados na maior parte das faixas e cartazes, assim como pela presença de inúmeros e, diga-se de passagem, opulentos para tempos de crise econômica, bonecos infláveis de Lula e Dilma.

Em meio aos pedidos de “Fora corruptos” são professados, em menor medida, porém chamativos o suficiente para serem notados – por quem quiser ver – discursos de ódio e preconceito à presidenta Dilma, ao ex-presidente Lula e a outras lideranças políticas. Sem contar com o perigoso saudosismo ao golpe militar de 1964, assim como pedidos genéricos de intervenção militar, que insistem em aparecer nas manifestações. Casos isolados ou não, é preocupante o silenciamento dos mesmos na grande imprensa brasileira.

Na medida em que se cala a respeito, a imprensa consente que seja razoável a presença – e, mais que isso, a aparente aprovação geral – de tais discursos em um processo que pretende a transformação do país. Se for assim, qual é a mudança que nos espera?

Violência e preconceito, em público e em privado

Alguns episódios como “piadas” com temas de cunho racista ou sexual chamam a atenção neste sentido. Sem destaque nos jornais da grande mídia, a faixa com os dizeres “Balança que essa quenga cai”, na manifestação em Recife, foi lembrada no Facebook pelo projeto Catarinas. Casos semelhantes repercutiram na rede social, assim como o cartaz que pedia “Femininicídio sim! Fomenicídio não! #fora PT”, também divulgado na página do projeto.

Outro, talvez o mais representativo deste fenômeno de silenciamento, foi protagonizado pelo deputado Jair Bolsonaro, durante discurso aos manifestantes no ato pró-impeachment em Brasília, dia 13. Defendendo a prisão de Lula, Bolsonaro disse que, uma vez preso, o ex-presidente receberia visita íntima do deputado Jean Wyllys – e foi aplaudido com entusiasmo pelos presentes. Publicado pelo blog Socialista Morena, o trecho foi omitido na publicação do discurso pelo jornal O Globo, que se limita a mostrar o trecho anterior da fala e termina alguns segundos antes da frase de intenção ofensiva.

Vale lembrar que o caso, em parte semelhante, das frases polêmicas de Lula teve um tratamento radicalmente diferente pelo jornal. Em parte, porque guarda uma diferença fundamental: a fala de Lula era em âmbito privado e não público (esta questão, assim como as demais implicações da divulgação de grampos, é comentada pelo professor e pesquisador do objETHOS Rogério Christofoletti no artigo Grampos e as responsabilidades da mídia). Ainda assim, uma vez tornada pública pelo vazamento das gravações, a mesma foi analisada em reportagem do jornal que conta com a análise de três especialistas, entre outras fontes. Sobre a mais polêmica delas, a ativista feminista Stephanie Ribeiro lembrou: “Lula é nordestino, e ‘grelo duro’ é uma expressão usada nessa região do país. E é no sentido de mulher porreta”. Ainda assim, o título da matéria é enfático: “Expressões chulas de grampos telefônicos de Lula reproduzem preconceitos”.

Os flagrantes da vez

Se, por um lado, falta atenção ao que se grita nas ruas, sobra para sensacionalizar o que se dá no cotidiano das figuras públicas. Em meio à tamanha crise, ainda há espaço para as notícias que se prestam a “flagrar” o irrelevante, como a nota sobre as compras da deputada federal petista Benedita da Silva na coluna de Murilo Ramos na Revista Época, na terça-feira. “Benedita da Silva ignora a crise do governo petista e vai às compras”, informa o título.

No blog de Lauro Jardim, colunista do jornal O Globo, destaca-se que “Eleonora Menicucci, das Mulheres, ignora piadas machistas de Lula e vai à posse”. A nota reproduz o conteúdo das conversas privadas de Lula mas não dedica uma linha a qualquer manifestação da secretária especial de Políticas para as Mulheres, que sequer  é ouvida pelo repórter da coluna Guilherme Amado.

Os dois exemplos, que em muito se assemelham aos conteúdos de uma coluna social, demonstram o máximo da degeneração vivida pelo jornalismo que se diz especializado em política. Como adverte o pesquisador do objETHOS Ricardo Torres no artigo Por que o jornalismo político está destruindo a política?, “é hora de repensarmos o jornalismo “político”, a sociedade e a democracia precisam de um jornalismo sobre política pautado pelo respeito e pela pluralidade”.

O “Brasil” e os “aliados de Dilma e Lula”

Por fim, uma rápida comparação entre as manchetes principais nas capas do jornal O Globo nos dias 14 e 19 de março, demonstra até que ponto o jornal se dispõe a interpretar os motivos que levaram os brasileiros, todos eles, às ruas ao longo da turbulenta semana.

12380524_1033134440105261_2032719539_n
Diferença de tratamento entre manifestantes contra e a favor do PT

Na primeira, é o “Brasil” quem se manifesta, na segunda, os “aliados de Dilma e Lula”. Enquanto em uma temos a impressão de estarmos diante do país como um todo, das suas diversas expressões, na outra, a sensação é de que estamos tratando de um grupo restrito ligado ao governo por algum tipo compromisso – é a isso que a palavra aliados costuma se destinar no noticiário político e este é, de fato, o seu principal significado, outro , é o de ser solidário a alguém.

Na nota de chamada para a reportagem do dia 19, logo abaixo da manchete principal, os manifestantes são descritos como “pró-Dilma e Lula”. De fato, quem foi às ruas no dia 18 demonstrou apoio ao governo Dilma, foi solidário, no sentido de se colocar contra o impeachment. No entanto, chama a atenção no texto, assim como no título, a escolha de não trazer à tona a proposta principal dos atos em questão, que era a defesa da democracia, o que se mostra evidente desde o nome do evento (Ato unificado em defesa da Democracia) até sua principal palavra de ordem: “não vai ter golpe!”.

Resta, assim, a incômoda questão: por que nenhuma delas, proposta e palavra de ordem, ousa ser citada pelo jornal?

[divider style=”solid” top=”20″ bottom=”20″]

Mestranda em Jornalismo no POSJOR e pesquisadora do objETHOS

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios