sexta-feira, dezembro 2, 2022
Google search engine
InícioAÇÃO SINDICALSERT suspende negociações. Sindejor sinaliza com INPC e quer reduzir direitos

SERT suspende negociações. Sindejor sinaliza com INPC e quer reduzir direitos

Nova rodada da Negociação Coletiva 2017 foi realizada na manhã de quinta-feira (20/07) entre o Sindicato dos Jornalistas e o sindicato patronal de jornais e revistas. Houve evolução no diálogo, mas a contraproposta patronal ainda dificulta o entendimento. Já o Sindicato Patronal de Rádio e TV, que tinha reunião agendada com os representantes dos jornalistas para a tarde do mesmo dia, suspendeu a negociação na véspera. Eles alegam que a categoria preponderante nas empresas de radio e televisão é a dos radialistas e que a contraproposta da categoria profissional está muito distante de suas pretensões.

Após rodada de visitas a redações, nas quais a categoria rejeitou as propostas patronais, o SJSC propôs piso unitário de R$ 2.438,20 e reajuste salarial linear pelo INPC (3,99%), mais a manutenção da maioria das cláusulas da Convenção Coletiva atual e ajustes de redação em algumas delas. No caso dos jornalistas enquadrados irregularmente como radialistas em empresas de rádio e TV, foi formulada também uma proposta de transição.

Na tarde de 19 de julho, o sindicato patronal de Rádio e TV “solicitou” ao SJSC a “suspensão das rodadas de negociação para estudo, aprofundamento e amadurecimento das condições de trabalho”. Isso precedido da consideração de que as rodadas de negociação anteriores restaram infrutíferas “pois a cláusula principal que trata a questão do piso salarial e a jornada de cinco horas (05h) não evoluíram, sendo o valor proposto incompatível com a realidade da categoria econômica”. E, ainda, apegando-se à reforma trabalhista do governo Temer, que sequer entrou em vigor e cuja constitucionalidade está sendo questionada,  o SERT sugeriu, em seu ofício,  que a contraproposta que apresentou anteriormente deve ser “revisitada para adequações frente às flexibilidades da legislação trabalhista que em breve estará vigente”.

“A prosseguir este comportamento, infelizmente a alternativa de diálogo com as empresas de rádio e TV caminhará para a via judicial”, considera o presidente do SJSC, Aderbal Filho.

Outra conversa

Já o Sindicato patronal de jornais e revistas (Sindejor) teve outro comportamento. Compareceu à negociação e sinalizou a possibilidade de reajuste do piso pelo INPC (3,99%) e reajuste linear nos demais salários. Mas rejeitou a compensação de perdas passadas e, no embalo da conjuntura conservadora que o país vive, arrolou diversas cláusulas para as quais, na prática, propõe a retirada de direitos já consagrados em diversas convenções firmadas com os jornalistas.

No rol de cláusulas para supressão de direitos foram citadas a sobre Comissão Paritária, que trata de condições de saúde do trabalhador, a sobre liberação de jornalistas das redações para encontros e congressos da categoria, a de livre acesso dos dirigentes sindicais às redações e a de liberação de dirigentes sindicais, entre outras.

Embora tenham reconhecido um avanço no diálogo, os negociadores do SJSC consideraram o posicionamento patronal ainda insatisfatório. Nova rodada de negociação ficou marcada para quarta-feira (26/07), às 10h, no Sindicato dos Jornalistas.

“Nossa expectativa é de poder chamar nos próximos dias uma assembleia para a categoria deliberar sobre um possível acordo. Mas pra isso a proposta econômica patronal pode e deve ser melhorada”, avalia Aderbal Filho. “Além disso, dificultar o acesso de dirigentes às redações e enfraquecer a organização sindical da categoria vai na contramão da vocação democrática dos jornalistas e do jornalismo. Por isso pedimos que a representação patronal reveja sua proposta”, completa.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios