InícioNOTÍCIASComissão na Câmara aprova Projeto de Lei que proíbe publicidade para crianças

Comissão na Câmara aprova Projeto de Lei que proíbe publicidade para crianças

Publicidade InfantilFoi aprovado nesta quarta-feira (18/9), na Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTI) da Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei (PL) nº 5.921/01, que proíbe a publicidade e a propaganda para a venda de produtos infantis. A matéria segue para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Casa, para então ser apreciada pelo Senado Federal.

O relator do projeto, deputado Salvador Zimbaldi (PDT-SP), destacou que a TV, o rádio e a internet representam um grande papel na formação de conhecimento e também da moral nas crianças. O parlamentar defendeu ainda que, por ainda estar em processo inconcluso de formação, a criança é mais vulnerável à publicidade e acredita em determinado produto para ser feliz ou incluída na sociedade. “Ela não entende o caráter persuasivo da propaganda”.

O texto aprovado, apresentado pelo deputado Sandro Alex (PPS-PR), modifica o atual art. 37 do Código de Defesa do Consumidor, considerando abusiva “a publicidade que seja capaz de induzir a criança a desrespeitar os valores éticos e sociais da pessoa e da família e que estimule o consumo excessivo”.

Para a conselheira do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Roseli Goffman, a aprovação do PL representou o início da vitória em um tema que tramita no parlamento há 12 anos e é uma pauta relevante para a Psicologia. “Prezamos pela promoção da saúde de crianças e adolescentes brasileiros que, por meio da propaganda e da publicidade de produtos dirigidos a elas, vem sendo tratadas apenas como consumidores, e não como cidadãos”, enfatizou.

De acordo com pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), a criança brasileira é a que mais assiste televisão no mundo, com uma média de cinco horas diárias. O número é maior do que o tempo em sala de aula, estimado em três horas.

Impasses na tramitação

O debate sobre o PL 5.921/2001 na CCTI esbarrou em muitas dificuldades. O relator do projeto da comissão, deputado Salvador Zimbaldi (PDT-SP), ensaiou dar um parecer sobre o tema diversas vezes, mas demorou quase dois anos para finalmente apresentar um texto substitutivo, em junho deste ano.

Embora Zimbaldi concordasse com regras para a publicidade infantil, ele incluiu em seu texto um parágrafo polêmico sobre a representação da família na publicidade dirigida a crianças. Na ocasião, o deputado Paulo Teixeira apresentou um voto em separado com uma versão atualizada do substitutivo de Maria do Carmo Lara, aprovado em 2008 e que tem o apoio do Alana.

O texto apresentando por Teixeira foi recebido por parte dos deputados da comissão como restritivo demais. Um dos acordos para tentar aprovar o PL, então, foi para que o relator Zimbaldi retirasse o trecho polêmico do substitutivo, o que de fato aconteceu.

Ainda assim, o PL encontrou obstáculos para sua aprovação. Só hoje, com a proposta de Sandro Alex baseada no texto aprovado na CDEC em 2009, houve avanço do tema.

Mobilização

Em 2008, o CFP publicou a cartilha sobre Contribuições da Psicologia para o fim da publicidade dirigida à criança, com argumentos que fundamentam o fim da propaganda para esse público. Para ler a íntegra, clique aqui.

O tema da criança e consumo gerou a página Infância Livre de Consumismo no Facebook, alimentada por cidadãos militantes, que conta hoje com mais de 63 mil “curtidas“. É relevante também na proteção de direitos de Crianças e Adolescentes a atuação do  Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana.

Fonte: CFP – Conselho Federal de Psicologia
*Com informações do Instituto Alana

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios