quarta-feira, dezembro 7, 2022
InícioNOTÍCIASAlerta - Não é apenas um estaleiro! Chama-se OSX Estaleiro-SC

Alerta – Não é apenas um estaleiro! Chama-se OSX Estaleiro-SC

Investimento de US$ 3 bilhões, volume captado no mercado internacional de ações a partir de Nova Iorque-EUA (o orçamento de Florianópolis para 2010 é de R$ 1,25 bilhão). Empresa OSX, Grupo EBX (Eike Batista).

Na localidade de Tijuquinhas, Enseada de São Miguel (Biguaçu-SC), Baía de Florianópolis, numa área de 155,33 hectares ou cerca de 1.600.000 m2, equivalente a aproximadamente 155 campos de futebol.

Quando estiver funcionando vai gerar 4.000 mil empregos diretos, semelhante à Celesc (a Bunge, maior empresa operando no Estado, tem 8.500 funcionários).

No OAX Estaleiro-SC serão construídos navios-sonda e plataformas de extração de petróleo semi-submersíveis e fixas.

Será cavado um canal entre a área do empreendimento e a barra da Baía Norte de Florianópolis, com cerca de 12,3 quilômetros de extensão, 160 metros de largura e 9 metros de profundidade, fruto da dragagem de 8.750.000 m3 de areia do fundo marinho. O aterro da Via Expressa Sul surgiu da dragagem de 7.800.000 m3 de areia do Banco da Tipitinga.

É possível que ocorram alterações nas correntes marinhas no interior da Baía Norte de Florianópolis, com “alteração da paisagem (impacto visual do tráfego de embarcações e do próprio estaleiro)”. Para a elaboração do diagnóstico socioeconômico, foi feita a caracterização das localidades inseridas na Área de Influência Direta (AID): Sambaqui, Praia do Forte, Daniela, Jurerê Tradicional e Jurerê Internacional.

O estudo de balneabilidade do EIA-RIMA do empreendimento foi realizado nas praias localizadas nas AIDs do estaleiro: as que contornam a orla da Baia Norte (Sambaqui, Daniela, Jurerê Internacional e Praia do Forte em Florianópolis; São Miguel em Biguaçu; e, do Magalhães, do Tinguá e do Antenor em Governador Celso Ramos).

O empreendimento surgirá nas áreas de influência/proteção da Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, Área de Proteção Ambiental de Anhatomirim (APA) e Estação Ecológica de Carijós.

Estudos de modelagem numérica de dispersão de óleo no mar, no caso de um acidente com vazamento, indicaram que para o período de verão há uma maior tendência de retenção do óleo no interior da Baía Norte. (Quadro abaixo)

Confira a seguir os principais impactos do empreendimento, segundo o RIMA (dezembro de 2009) elaborado pela empresa Carujo Jr. – Estudos Ambientais&Engenharia Ltda, contratada pela OAX, empresa do Grupo EBX (Eike Batista).

Leia mais informações sobre esse projeto em – As ameaças do estabeleiro em Biguaçu. http://sambaquinarede2.blogspot.com/2010/04/blog-post_16.html

Fonte: Blog Sambaquinarede2

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios