InícioOPINIÃOAs dificuldades devem servir para fortalecer os ideais

As dificuldades devem servir para fortalecer os ideais

O Brasil é um país continental com uma diversidade cultural dificilmente encontrada em algum outro lugar. Apesar disso, na maioria das vezes assiste-se a poucos gêneros porque as outras expressões são restringidas quase sempre por um sistema monopolizado de comunicação. Nas opiniões não é diferente. Há uma restrição enorme das posições que divergem daquela considerada “predominante” pelos meios de comunicação.

Por isso é quase impossível colocar em contradição ao grande público a opinião dominante sobre todos os assuntos nacionais, pois são poucas as vezes em que se consegue espaço para a divulgação do contraditório. Nos anos noventa havia no Brasil o predomínio de uma visão neocolonial de que o Brasil deveria se tornar um apêndice da economia norte americana com a adesão ao tratado que criava a Área de Livre Comércio das Américas (ALCA).

Ao mesmo tempo, havia uma resistência grande de vários movimentos contra essa situação, em razão do risco da perda de autonomia política e produtiva do país. A preocupação não era desmedida tendo em vista que a maior parte do patrimônio público já havia sido vendida sob a promessa de melhorias na vida das pessoas que nunca chegava.

Assim, naquela década, foi com espanto e enorme satisfação que o surgimento público da posição do Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, contrário a ALCA, reforçou e deu ânimo aos que lutavam não apenas contra essa possibilidade mas também contra a invisibilidade da sua resistência. Finalmente a partir de 2003 a ALCA foi enterrada. Depois disso, o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães ocupou vários cargos no Ministério das Relações Exteriores e em outros ministérios e secretarias do governo.

No dia 08 de agosto Guimarães esteve em Florianópolis para participar de várias atividades entre elas uma conferência para dirigentes sindicais, de movimentos sociais e estudantes, organizado pelo Escritório Regional do DIEESE. A principal lição da sua palestra foi mostrar que os ideais não envelhecem com o tempo, ao contrário, devem ser constantemente alimentadas para dar força aos que lutam pela transformação da sociedade em algo melhor para todos.

O embaixador tratou dos desafios externos e internos para construção de um Brasil para os brasileiros, tendo como referência o seu último livro “Desafios Brasileiros na Era dos Gigantes” (editora Contraponto). Contextualizou a crise mundial desde 2008 e questionou porque é fraca a reação dos países. Para ele a resposta está na distribuição da produção atualmente no mundo. O espaço produtivo deixou de ser nacional e a presença da China é elucidativo nesse contexto já que se constituiu como a maior nação importadora de bens primários e exportadora de manufaturas. A ausência de controle sobre a produção reduz a força de orientação dos estados nacionais e por isso, ao invés de se adotar medidas de regulação da produção de bens e serviços como os financeiros, restou a adoção de medidas de austeridade contra a sociedade para tentar sustentar um modelo de produção que pouco responde as necessidades da maioria da população.

Não tem sido diferente a situação do Brasil. Para o embaixador é enorme a entrada de empresas estrangeiras no país, na maior parte beneficiadas por medidas de incentivos. Na prática essa situação tem aprofundado o déficit das contas externas do Brasil recriando a dependência de capitais externos e a necessidade cada vez maior de elevação dos juros. Por isso que a possibilidade de retomada de taxas elevadas de crescimento sustentáveis são cada vez mais difíceis.

A definição das regras de funcionamento da economia está na política. Para Guimarães é na         política que as regras devem ser construídas, portanto sem a ocupação desses espaços por agentes que tenham como preocupação o fortalecimento produtivo do Brasil como uma nação forte e independente reduz a possibilidade de mudanças.

Nesse ponto o embaixador não deixa dúvida sobre a sua posição política: o governo, depois de desonerar tanto o capital nos últimos tempos sem nenhum resultado prático, precisa reorientar a sua ação e passar a desonerar o trabalhador. É preciso melhorar as condições de trabalho e dos trabalhadores pois será isso que permitirá que o país dê um salto de qualidade na forma de inserção produtiva no mundo que será determinada pela esfera da tecnologia e não pela redução do salário do trabalhador.

Na palestra Guimarães não deixou de falar das dificuldades de construção de uma visão alternativa àquela que assistimos todo o dia na televisão. Nesse aspecto ele defendeu que quem pode falar das condições de trabalho são os próprios trabalhadores e avaliou que já há condições de se pensar em um sistema de comunicação dos trabalhadores no Brasil capaz de ser porta voz dos interesses da maioria da população que é a que constrói cotidianamente o país.

A experiência política do palestrante contagiou os presentes na conferência e demonstrou que os ideais não devem ser abandonados pela simples dificuldade de serem alcançados. Na prática as dificuldades é que devem fortalecer os ideais pois apenas revelam a importância da busca de alternativas que coloquem como protagonistas aqueles que constroem a riqueza da nação.

Daniel Passos – economista do DIEESE

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios