sexta-feira, dezembro 2, 2022
Google search engine
InícioNOTÍCIASGreve da imprensa cala a Itália

Greve da imprensa cala a Itália

Por Aline Pinheiro

A Itália ficou sem voz na última sexta-feira (9/7). Uma greve dos jornalistas em protesto contra o projeto de lei das escutas telefônicas calou praticamente todos os jornais do país. A televisão, a internet e o rádio italianos também não têm notícias. A greve dura 24 horas. Os italianos voltam a saber o que acontece no país só no sábado (10/7).

O projeto de lei é chamado pelos jornalistas de lei da mordaça. Além de reduzir o tempo do grampo e dificultar o uso das escutas nas investigações, ele proíbe qualquer publicação de conversas gravadas. Hoje, na Itália, o jornalista que publica conversa interceptada protegida por sigilo já se arrisca a ficar um mês na cadeia ou pagar multa de quase 300 euros (o equivalente hoje a aproximadamente R$ 670).

A proposta aumenta esse rigor. Atos da investigação só poderão ser publicados depois do término das audiências preliminares. Conteúdo das conversas gravadas não poderá ser publicado até o fim do processo, seja na íntegra ou apenas informações. O jornalista que desobedecer a lei poderá ficar um mês preso ou pagar uma multa de 10 mil euros (cerca de R$ 22 mil). Os jornais que descumprirem a lei também serão punidos com multas de até 450 mil euros (R$ 1 milhão). A chamada lei da mordaça também corta a voz dos promotores, que não poderão mais falar na televisão sobre os processos aos seus cuidados, sob pena de serem retirados do caso.

O projeto foi apresentado e é apoiado pelo primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi. Desafeto de grande parte da imprensa italiana, Berlusconi chegou a arriscar o seu cargo como chefe de Estado para que o projeto fosse aprovado no Senado. O empenho é justificado. Enquanto investigado por corrupção, o primeiro-ministro viu seu casamento e sua reputação ruírem depois que imagens de festas privadas com garotas de programa foram parar na televisão e nos jornais.

Para impedir que as propostas do governo italiano virem lei, a Federação Nacional da Imprensa Italiana convocou a greve na categoria. O movimento foi bem organizado. Para que o país fique sem notícias nesta sexta, jornalistas que trabalham em cotidianos paralisaram as atividades nessa quinta-feira (8/7). Não há jornais nas bancas, nem os principais, como o La Republica e o Corriere della Sera, nem os pequenos ou até mesmo os gratuitos. Rádio e televisão estão sem o seu noticiário. Os sites, desatualizados.
O protesto tem muito mais um tom de defesa da democracia do que uma manifestação de classe. A imprensa vem constantemente explicando ao cidadão que, se a proposta virar lei, é ele quem vai ter violado o seu direito constitucional à informação.

A adesão à paralisação foi maciça. Até os esportivos estão calados. Um ou outro jornal isolado e pouco conhecido preferiu circular mesmo assim, mas, dadas às proporções do silêncio no país, esses desgarrados não abalaram a pressão que a imprensa tenta colocar nos políticos. Na televisão, por exemplo, as duas principais emissoras italianas — a Rai e a Mediaset — estão sem notícias. No RaiNews, com notícias o dia inteiro, no entanto, o silêncio foi rompido em duas janelas informativas ao longo do dia. O apresentador, depois de explicar o manifesto dos jornalistas, leu um resumo do noticiário nacional e internacional.
A Mediaset, da família do primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, também usou o seu site, o Tgcom, para informar a adesão ao movimento. O protesto dos jornalistas no país terminou às 6h de sábado.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios