InícioOPINIÃOA sociedade tem direito a jornalistas preparados

A sociedade tem direito a jornalistas preparados

A sociedade tem direito a jornalistas preparados

Tramita na Câmara dos Deputados a PEC 206/2012, que acrescenta os parágrafos 7º e 8º ao artigo 220 da Constituição Federal, para dispor sobre a profissão de jornalista. O Senado aprovou em agosto de 2012, por 60 votos a favor e quatro contra, em segundo turno a proposta de emenda constitucional que torna obrigatória a obtenção do diploma de curso superior de jornalismo para o exercício da profissão no país.

O curso de jornalismo foi instituído pelo Decreto-Lei 5.480, de 13 de maio de 1942, e mais de 20 anos depois foi expedido o Decreto-Lei nº 972 de, 17 de outubro de 1969, que tornou obrigatório o diploma de curso superior de jornalismo para as funções de redator, noticiarista, repórter de setor, rádio-repórter, arquivista-pesquisador e revisor, tendo o Decreto nº 83.284 de 13 de março de 1979, dado nova redação mantendo a exigência e acrescentando apenas mais uma função: a de repórter.

O atual questionamento é o confronto entre essas normas e a Constituição Federal de 1988, sob o argumento de que a exigência do diploma de curso de graduação para o exercício da profissão de jornalista confronta o princípio constitucional da liberdade de expressão. Então pergunto: do quê se trata o princípio da liberdade de expressão? Qual a correlação entre referido princípio e formação profissional adequada para o exercício do jornalismo?

A Constituição, em seu artigo 5° inciso IX, prevê a liberdade de expressão no ordenamento jurídico como um princípio fundamental. Encontra-se assim redigido: “é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.” A liberdade de expressão tem correlação direta com o princípio democrático, sendo um mecanismo da democracia, compreendendo a liberdade de pensamento, o direito de discurso, de opinião, de imprensa, o direito à informação e a proibição da censura.

Atualmente a tecnologia digital permite a todos se comunicar, bem como permite que qualquer pessoa possa expor seu pensamento e seu conhecimento sobre a área que é especializada. Por isso os inúmeros artigos de historiadores, geógrafos, médicos, psicólogos, advogados, dentre outros, nos veículos de mídia.

Já o jornalismo é uma profissão de extrema relevância uma vez que a informação jornalística é elemento estratégico das sociedades contemporâneas, e é a formação superior que permite estudar e aprofundar as questões referentes às sociedades, as tecnologias, os diferentes meios de comunicação. A graduação oportuniza e aprofunda a reflexão sobre as tarefas do jornalista frente ao mundo, o domínio da linguagem especializada, a responsabilidade social, a questão ética da profissão, formando o profissional para trabalhar em várias áreas, seja no setor público ou privado. Parece-nos que não exigir a formação profissional de jornalista para o exercício da profissão com o argumento do cerceamento da liberdade de expressão é inadequado, tratando-se de uma distorção.

Perseu Abramo, em 1987, escreveu um pequeno artigo na Folha de São Paulo, intitulado:Jornalismo profissão específica ou atividade geral? Afirmando a necessidade de formação específica para o jornalista, sustentou que ela “não é uma atividade geral, que qualquer um possa fazer. É um processo específico e complexo e que, por isso, exige formação especializada. A tendência histórica provável é que essa especialização aumente: cresce a complexidade tanto do mundo social e físico, que constitui o conteúdo das informações, quanto dos métodos de obtenção, registro e difusão das informações. Não se trata de um “direito” dos formandos. Trata-se do direito de a sociedade exigir do profissional a prova da sua formação regular, escolar e superior específica”.

E, continua, esclarecendo que: “É claro que isso tudo não tem nada a ver com o direito de ter e emitir opiniões. A essência do jornalismo é a informação. O direito de ter e difundir opiniões não é característica nem específica e nem exclusiva do jornalismo. Abarca um campo muito mais vasto, que é o da própria sociedade e do grau de democracia que ela comporta. Um jornal, uma revista, uma programação de rádio ou televisão, contém, além de jornalismo, muitas outras coisas, inclusive opiniões.”

A Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ) prepara um “Placar Nacional de Diploma” que trará a posição de cada deputado e deputada sobre a PEC 206/2012. Nele, meu voto será computado junto com aqueles favoráveis à aprovação da emenda constitucional. No meu entender, aexigência do diploma para o exercício do jornalismo garantirá minimamente o nível de formação profissional que é exigido do jornalista na atualidade tendo em vista a relevância da profissão.

Autor:Nilmário MirandaJornalista e Deputado Federal (PT/MG)

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios