quarta-feira, dezembro 7, 2022
InícioOPINIÃOPorque defender o diploma

Porque defender o diploma

A exigência do diploma para jornalistas exercerem a profissão foi aprovada no Senado, quase por unanimidade, pois apenas dois senadores votaram contra. Ainda que a matéria dependa da Câmara, conclui-se haver sido feita justiça, depois que o Supremo Tribunal Federal, em 2009, pronunciou-se contra a obrigatoriedade do diploma.

A maioria dos barões da imprensa coloca-se contra a emenda constitucional, assim como aquele bando de jornalistas sabujos, empenhados em bajular o patrão. Além, é claro, de uns poucos bem intencionados coleguinhas que tem todo o direito de pensar e de manifestar-se como bem entendem.

O argumento fundamental contra o diploma continua pueril: dizem que vai atropelar a liberdade de expressão. Mentira. Acrescentam que o dom de escrever nasce com o indivíduo e que a limitação agride a liberdade. Outra mentira. Ninguém está proibido de escrever em jornal ou de expressar-se pela mídia eletrônica. Apenas, quem não tiver diploma atuará como “colaborador”. Como jornalista, só quem tiver adquirido nos bancos universitários a gama variada de conhecimentos imprescindíveis ao exercício da profissão. Porque ser jornalista não é apenas dispor do dom de escrever ou manifestar-se pelas câmaras e microfones. Exige saber editar, selecionar, apurar, ponderar, respeitar, diagramar, resumir, coordenar e chefiar, predicados mais fáceis de adquirir os que receberem lições ordenadas de Ética, História, Política, Economia, Geografia, Psicologia e quanta coisa a mais?

Replicam os inimigos do diploma que as Faculdades de Jornalismo são fracas, falhas e lamentáveis, deixando de preparar os jovens para a profissão. Ainda que fosse verdade, e não é, a solução parece longe daquela dada pelo cidadão que para acabar com o adultério da mulher decidiu retirar o sofá da sala. Que se melhorem os currículos, que se fiscalize o ensino, que se acabe com os estabelecimentos “PP”, aqueles do “pagou, passou”.

Quanto ao dom de escrever, basta lembrar que o “seu” Manoel, dono do açougue ali da esquina, é um craque na arte de cortar carne. Tira cada filé de dar água na boca. Por isso deve trocar o avental por um jaleco e operar alguém de apendicite, no hospital ao lado? O camelô da rodoviária dispõe de excepcional dom de oratória. Vende tudo o que apresenta em sua bancada. Estará livre para vestir a beca, entrar no tribunal e defender um réu?

A conquista do diploma para jornalista exprimiu a mesma progressão de outras exigências. Antes das escolas de medicina os curandeiros podiam exercer a profissão. Hoje, não podem mais. Vale o mesmo para os advogados, os engenheiros e os arquitetos, entre tantas outras atividades.

Quem assina estas considerações é jornalista desde 1958, sem jamais haver cursado Faculdades de Comunicação. Naqueles idos, depois de alguns meses na profissão, ia-se ao ministério do Trabalho para o registro profissional, claro que endossado pela empresa na qual trabalhava. Formavam-se assim os jornalistas, que necessitavam preencher o vazio da teoria pela prática continuada. Ficaram lacunas, hoje preenchidas pelo diploma.

Mais um adendo: tirando os que honestamente pensam contra, os demais que se opõem escondem a verdadeira razão de porque assim se posicionam: porque é nos bancos universitários que a categoria se aprimora, adquire amor próprio, sentimento de classe e força para exigir das empresas melhores salários,condições de trabalho e respeito à honestidade e veracidade da notícia. Seria preferível, para os barões, dispor apenas da facilidade de escolher sabujos incapazes de pensar e discernir, adeptos da subserviência a interesses nem sempre verazes e honestos…

Autor:Carlos Chagas

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios