quarta-feira, dezembro 7, 2022
InícioNOTÍCIASFSM Dakar 2011: Primeiros dias do evento são marcados pela força africana...

FSM Dakar 2011: Primeiros dias do evento são marcados pela força africana e pela desorganização

Certas surpresas nos levam a questionar determinados critérios que antes validavam opiniões, posturas políticas e análises críticas. O Fórum Social Mundial 2011, em Dakar, no Senegal, se mostrou, já no primeiro dia de atividades – 7 de fevereiro – como uma dessas surpresas capazes de mudar nossa maneira de analisar os fatos e fazer uma crítica.

O impacto que o número imenso de africanos, mais de 20 mil só no segundo dia, fora os mais de 40 mil estudantes da Universidade Cheikh Anta Diop de Dakar que, devido a uma repentina mudança de reitor e de política de gestão, às vésperas do FSM, manteve as aulas e restringiu o número de salas disponíveis no campus para o evento internacional, juntamente com um contingente enorme de militantes, intelectuais e ativistas de movimentos sociais de todas as partes do mundo, aglomerados em um espaço caótico e desorganizado causa, passou de um misto de suplício e decepção para a constatação do que há de mais relevante na realização de um evento como esse, a necessidade de humanidade que vence as barreiras da dificuldade estrutural e redesenha as formas de organização de movimentos civis na busca pela autonomia, equidade e liberdade.

No dia 6 de fevereiro, dia da abertura oficial do FSM, tudo transcorreu como o esperado. Com a maioria dos participantes ainda chegando ao país, o dia foi marcado pela já tradicional passeata, que contou com aproximadamente mil pessoas. O primeiro dia do FSM terminou com shows de bandas africanas e com um frio que pega qualquer um de surpresa. Mas o que salta aos olhos dentro de dessa universidade de tamanho descomunal, com estruturas sujas e carcomidas que abrigam estudantes de vários países da África, não são as falhas, mas sim os próprios olhos dos africanos, quando trocam olhares com os presentes. A vontade de quem carrega uma herança guerreira que perdura na forma como eles se dedicam e participam do próprio evento está no fundo dos olhos brancos

Os problemas na organização, a dificuldade de acesso ao credenciamento e estrutura de acampamento, alimentação e comunicação, não tiraram, até então, o brilho intenso do evento conferido pelos olhos desse povo negro e forte, carregado de pretura e orgulho. Isso pode ser comprovado em frente à biblioteca da universidade, onde, de magafone em punho, alunos bacharéis de diversos cursos protestavam com uma firmeza de assustar contra a transferência deles para outra universidade em Dakar e pelo excesso de estudantes no campus.

O estudante de Letras e voluntário intérprete do FSM, Alioune Badara Soumboundou, é quem explica a situação. Eles não querem sair do local porque ali é uma das melhores universidades da África, afirma o estudante em inglês. Alioune, assim como quase todos os africanos em Dakar com quem se pode partilhar, é de uma presteza que dedicou a todos os estrangeiros. Eles acham os lugares, traduzem as conversas e carregam sua bagagem sem aceitar um não como resposta, tudo com um sorriso e um ar de benevolência inexplicável e indescritível.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios