quinta-feira, dezembro 1, 2022
Google search engine
InícioSOCIEDADEGreve geral entra para a história do Brasil

Greve geral entra para a história do Brasil

A greve geral de sexta-feira, 28 de abril, entra para a história do Brasil pela conscientização, mobilização e adesão maciça, graças à união de sindicatos, igrejas, correntes políticas das mais diversas vertentes, trabalhadores urbanos e rurais, aposentados e estudantes em todo o país.
“De norte a sul do país os trabalhadores se deram conta do estrago que significa o desmonte de direitos e resolveram cruzar os braços. Afinal, não era dia de dar lucro para o patrão, mas de defender os direitos trabalhistas e a aposentadoria, por isso as ruas ficaram vazias e as pessoas em casa”, explica Edson Carneiro Índio, secretário-geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

Segundo estimativas das centrais sindicais foram entre 35 milhões e 40 milhões de pessoas envolvidas na greve, o que corresponde a um terço da população economicamente ativa do Brasil.

“Realizamos uma das mais significativas mobilizações da história brasileira, surpreendendo o governo e os grandes empresários. Para nós, da Intersindical, não foi surpresa, estava clara a disposição para a luta”, afirma Índio.

A parada estratégica que deixou as cidades vazias cumpriu com o objetivo de transmitir a mensagem dos trabalhadores na linguagem que só o grande capital é capaz de entender: o prejuízo econômico e financeiro da paralisação de um dia.

Milhões em prejuízo

Para se ter ideia de como a greve mexeu com o bolso dos patrões, basta escolher uma categoria que sempre tem os prejuízos calculados e divulgados pela mídia quando pára. Um dia de greve dos auditores da Receita Federal no Porto de Santos (SP), por exemplo, causa um prejuízo de R$ 100 milhões nas contas do governo.

E neste 28 de abril não foram só eles que pararam. Estivadores, transportadores, fiscais agropecuários, entre outros, também cruzaram os braços. A adesão total à greve também aconteceu nos portos do Rio de Janeiro (RJ) e de Vitória (ES). Outros pararam parcialmente, como em Paranaguá (PR) e Rio Grande (RS).

Sem contar que todas as atividades econômicas do país, como comércio, serviços, indústrias ficaram às moscas. E o governo Temer ainda tem a cara de pau de usar a mídia para dizer que esperava por uma adesão maior das massas.

Ruas tomadas em todo o país

O povo foi sim às ruas, apesar do silêncio da grande mídia – que optou propositadamente por concentrar a cobertura nos incidentes, confrontos e desavisados que esperavam pelo transporte público ao longo do dia.

Em Pernambuco, 200 mil foram às ruas, em Minas Gerais foram 100 mil, mas a televisão não mostrou nada. Em São Paulo 70 mil pessoas enfrentaram o frio no Largo da Batata, mas a Globonews só transmitiu imagens de longe do ato, gastando horas de cobertura com lixeiras incendiadas e o aparato policial –  e ignorando por completo a massa de trabalhadores que protestava contra as reformas de  Michel Temer e seu Congresso de comparsas.

“Temos que ter claro que não podemos nos deixar pautar pela Rede Globo. Ela é inimiga do povo brasileiro. A pauta do Jornal Nacional não é a nossa pauta. Nossa pauta é a defesa de direitos, da democracia, da classe trabalhadora. A companheirada está de parabéns, rodoviários, metroviários, bancários, professores, servidores, portuários, trabalhadores da saúde, entre outros, e todos os que se juntaram à greve nacional”, discursou Índio no ato em São Paulo.

Senadores precisam ouvir a voz das ruas

O coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, ressaltou  durante a passeata em São Paulo que, “após a maior greve dos últimos 30 anos no Brasil”, os senadores precisam ouvir “a voz das ruas” para reverter a reforma trabalhista. “Entre a aprovação na Câmara e o texto ir para o Senado nós paramos o Brasil”, avisou o principal dirigente da Frente Povo Sem Medo.

“A greve geral é vitoriosa! Vamos continuar na luta, no amor ou na dor vamos atropelar essa  agenda que quer acabar com os direitos da classe trabalhadora e do povo brasileiro, isso é um crime de lesa pátria, contra o povo, contra o Brasil”, alertou Índio.

Fonte: Intersindical

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios