InícioDEMOCRATIZAÇÃO DA MÍDIACPI relatada por Amin propõe censura da Internet

CPI relatada por Amin propõe censura da Internet

Sob o pretexto de combater crimes na Internet, o relatório final da CPI dos Crimes Cibernéticos, da Câmara dos Deputados, propõe oito projetos de lei para controlar, censurar e realizar processos de vigilância em massa contra usuários da rede mundial de computadores. Assinado pelo deputado federal Esperidião Amin (PP-SC), o documento foi divulgado esta semana e traz propostas consideradas draconianas por especialistas. Segundo nota publicada na página do Instituto Tecnologia e Sociedade (ITS), do Rio de Janeiro, os projetos são “bombásticos” e “atacam diretamente direitos fundamentais, como a liberdade de expressão, o direito à privacidade e mutilam as partes mais importantes do Marco Civil da Internet”.

O próprio ITS lançou uma petição online contra o relatório de Esperidião Amin e a censura na internet, que pode ser visualizado aqui. 

Um pedido de vista coletivo adiou, por duas sessões, o início da discussão do texto. A expectativa é que a votação da matéria ocorra entre os dias 12 e 13 de abril – prazo final de funcionamento da CPI.

Confira a opinião do ITS sobre as propostas do deputado Catarinense.

a) Transformar as redes sociais em órgãos de censura para proteger a honra de políticos. Se alguém falar mal de um político em uma rede social, a rede social será obrigada a remover o conteúdo em no máximo 48 horas. Se não remover, a empresa será co-responsabilizada por aquele conteúdo e terá de indenizar o político ofendido. Em outras palavras, as redes sociais se tornarão agentes de vigilância e censura permanentes dos seus usuários.

b) Mandar para a cadeia por 2 anos quem simplesmente violar os “termos de uso” de um site. Entrou em um site ou aplicativo e desrespeitou alguma cláusula daquele documento enorme que todo mundo clica sem sequer ter lido: cadeia para você por 2 anos.

c) Desviar 10% dos arrecadados pelo Fistel, que têm por objetivo melhorar a qualidade das telecomunicações no Brasil, para financiar a polícia. As telecomunicações que já são caras e precárias no Brasil ficarão ainda piores. O recurso que é arrecadado para fiscalizar a qualidade do acesso à internet, telefonia e outro serviços será desviado para financiar a polícia. É claro que esse financiamento é importante. Mas para isso já pagamos nossos impostos. Não precisa desviar recursos essenciais para isso.

d) Atribuir competência à Polícia Federal para qualquer crime praticado usando um computador ou celular. Em outras palavras, o garoto ou a garota que baixar uma música da internet poderá receber a visita do japonês da federal. Alguém que escrever algo considerado “difamatório” ou “injurioso” contra um político nas redes sociais poderá ter de se explicar à Polícia Federal. Em outras palavras, vários milhões de brasileiros que fazem essas atividades todos os dias poderão ser vigiados e até mesmo presos pela Polícia Federal sob suspeita de de terem cometido “crimes mediante uso de computador”, mesmo que sejam crimes de baixo potencial ofensivo.

e) Obrigar os provedores de internet a revelarem automaticamente quem está por trás de cada endereço de IP na rede, informando para a polícia o nome, filiação e endereço domiciliar da pessoa, sem a necessidade de ordem judicial prévia. Em outras palavras, todos serão presumidamente “culpados” na internet brasileira e poderão ser constantemente vigiados. Se falou mal de um político na internet, na hora será possível saber a sua identidade e a Polícia Federal poderá ser acionada contra você.

f) Estabelecer a censura pura e simples na internet. O projeto de lei altera o Marco Civil, que proíbe a censura, criando um novo artigo que permitirá “determinar aos provedores de conexão bloqueio ao acesso a a aplicações de internet por parte dos usuários” para “coibir serviços que sejam considerados ilegais”. Em outras palavras: qualquer site poderá ser derrubado da internet brasileira. Lembra do bloqueio do WhatsApp? Isso será fichinha perto do que irá acontecer. Qualquer aplicativo, site ou serviço poderá ser bloqueado e censurado diretamente pelos provedores de internet e os brasileiros ficarão privados de acessá-lo sem qualquer defesa, afetando a vida de milhões de pessoas.

O relatório da CPI que propõe essas mudanças abre com a assinatura do deputado Eduardo Cunha, atual presidente da Câmara. A CPI foi presidida pela Deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) e o texto preparado pelo deputado Espiridião Amim (PP-SC) e pelos deputados Sandro Alex (PSD-PR), Rafael Motta (PSB-RN), Daniel Coelho (PSDB-PE) e Rodrigo Martins (PSB-PI).

O que mais pasma nesse relatório da CPI dos cibercrimes é como a internet é vista apenas como se fosse um “antro de perdição” e não como uma fonte de empregos, de inovação, de desenvolvimento, ou um instrumento essencial para o futuro do Brasil.

Em outras palavras, estão criminalizando a internet e colocando a rede sob o controle estrito do Estado. Esse é o mesmo caminho trilhado por países como a Arábia Saudita, Irã, Turquia, Coreia do Norte e Rússia.

É uma lástima que o Brasil, nesse momento em que a liberdade de expressão e a internet são ferramentas essenciais, tenha sua internet ameaçada por iniciativa da CPI dos cibercrimes. É claro que o crime na internet precisa ser combatido. Mas isso deve ser feito respeitando-se direitos fundamentais. O que estamos assistindo agora não é uma tentativa de se combater os cibercrimes, mas sim uma tentativa de controlar a internet, que tanto tem incomodado os políticos corruptos no Brasil.

Se você não quer a que internet seja censurada, compartilhe essas informações e manifeste-se contra a CPI dos Cibercrimes e os oito projetos de lei que ela propõe para controlar a internet. Censura nunca mais.

RELATED ARTICLES

16 COMENTÁRIOS

  1. Ao invés de colocar-se a favor da censura na Internet – que independe da busca de canal para sintonizar – o que o político carreirista em questão – deveria mostrar para os seus eleitores de SC é que se ele estará a favor da – regulação da mídia. Duvida-se que se encoraje para tal – ou dê uma explicação plausível de se poder aceitar (…)? Aliás as respostas dele tem sido a de que nunca mudou de partido político – sim – é verdade – pois os partidos mudaram de nome ao longo de sua trajetória política (…)!

    • Em vez deles irem trabalhar e fazer um projeto de crescimento e cuidado com a população ficam perdendo tempo com medo da mídia. Isto mostra realmente A culpa deles e o receio.

  2. Regular a coleta indevida de dados privados dos usuários por grandes portais, redes sociais, etc, isso não, né? Aí não tem invasão de privacidade, aí tá tudo legal, tá tudo favorável.

  3. O deputado federal Esperidião Amin (PP-SC) deveria ter ciência que a maioria dos servidores das redes sociais são localizados nos Estados Unidos. E, se ele não sabe, a Constituição dos EUA garante liberdade de expressão. E quando se trata de “Figura Pública”, como é o caso dos políticos, atores, cantores, milionários etc, não tem nenhuma proteção legal. Traduzindo : as pessoas podem falar e escrever os que elas quiserem sobre a “Figura PÚblica” . É uma decisão da Suprema Corte dos EUA : New York Times Co. v. Sullivan, 376 U.S. 254 (1964).

  4. É isso que dá deixar esses velhos caquéticos no poder. Daqui a pouco volta o cinto de castidade.

    – Senhor, por favor leve esses seus filhos que já estão fazendo hora extra na Terra!

  5. (Da Constituição)
    Artigo quinto, inciso quarto:
    “É livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”.
    E no inciso 10, assegura direito à indenização por dano moral ou material por violaçào à honra.
    E mais uma coisa, em 1966 o Brasil assinou um pacto internacional de direitos civis e politicos da ONU. Q em seu artigo 19 diz:
    ” ninguém poderá ser molestado por suas opiniões”.
    ( e o inciso é bastante longo e claro, sobre esse assunto). Portanto, o congresso brasileiro estará violando um pacto internacional q foi aceito até pelo governo militar, ja q foi assinado em 1966.

  6. Já o primeiro artigo que é a proteção de políticos merece condenação pelo povo porque nós queremos é prendê-los e não protegê-los, se devem. Não precisará ser ministro para ter foro privilegiado com esta lei idiota cujos mantenedores da internet não serão obrigados a atender porque estão sujeitos à lei da liberdade de imprensa norte-americana e cé fini. Amim é do PP e é um safado, político das marabutaias. Não precisa dizer mais nada.

  7. Brasil, um país especialista em evoluir para trás. Até quando as oligarquias coloniais, coronelistas, ditatoriais e totalitárias mandarão e desmandarão, deitarão e rolarão, usarão e abusarão desse país? Simplesmente, essa casta mafiosa, criminosa, medieval, nazifascistsa, não larga o osso. E, por isso mesmo, o Brasil nunca entrou no mundo civilizado. E duvido que, se continuarmos com esse ridículo e nefasto “sistema representativo de governo” (oligárquico), nem daqui a outros quinhentos anos, teremos, alguma vez na vida, um Sistema Participativo de Governo (Democrático).

    • Concordo plenamente
      Viu o projeto dos pedágios?
      Nenhuma concessionária irá querer nossas estradas. Imagine todos cruzando a Ponte Rio-Niterói e não pagando por terem a placa de uma das duas cidades?!

  8. viva a democracia e direito de expressão GUARDEM BEM A ATITUDE DESSE FILHO DE UMA ÉGUA para elege-lo na proximas eleiçoes… só isso!!!

  9. Até parece que não tem o que fazer.
    Vai se preocupar com os hospitais com a segurança e com o povo de Santa Catarina que ainda temos localidades que crianças passam fome.
    Quer empurrar o lixo para baixo do tapete Amim não parece que és professor da UFSC.

  10. Projetos não muito inteligentes são sua marca.
    Veja o projeto que nenhuma concessionária irá querer administrar nossas estradas.
    Seus projetos são populistas totalmente longe da modernidade e progresso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios