Inicial / AÇÃO SINDICAL / Eleições: conheça as propostas da chapa 1

Eleições: conheça as propostas da chapa 1

Única chapa inscrita para as eleições do Sindicato dos Jornalistas, a chapa 1 “Resistência e Luta” divulgou na semana passada sua carta-programa. O material foi apresentando em um jantar de lançamento da chapa, no bairro João Paulo. O documento também traz as informações sobre a composição do grupo, suas propostas e uma breve leitura do cenário político-sindical para os jornalistas catarinenses.

Leia o documento em PDF
Frente   Verso

 

Cargo Nome
Presidente Aderbal João da Rosa Filho
Vice-presidente Valci Regina Mousquer Zuculoto
Secretária Geral Mylene Gonçalves Margarida Nunes
1º Secretário Fábio Felipe Bispo de Souza
Tesoureiro Leonel David Jesus Camasão
1º Tesoureiro Hilton Andre Soares Maurente
Suplente Fabiano Peres da Silva
Suplente Larissa Oliveira Linder
Suplente Marcus Leonardo Selau Bruno
Suplente Patrick Pereira Rodrigues
Suplente Rafael Machado da Costa
Suplente Vinicius Eduardo do Prado Pinto
Com. Sindicalização Gabriel Shiozawa Coelho
Com. Sindicalização Jeferson Luiz Acevedo Junior
Com. Sindicalização Fabíola de Souza
Sup. Com. Sindicalização Gilvan Felipe Teixeira da França
Com. Comunicação Linete Braz Martins
Com. Comunicação Michele de Mello
Com. Comunicação Rita de Cássia Romeiro Paulino
Sup. Com. Comunicação Victor Oliveira de Miranda
Cons. Fiscal Tânia Machado de Andrade
Cons. Fiscal Cristina De Marco
Cons. Fiscal Ricardo Leandro de Medeiros
Sup. Cons. Fiscal Sônia Regina da Silva
Sup. Cons. Fiscal Celso Vicenzi
Sup. Cons. Fiscal Andrieli Trindade
Delegado FENAJ Hermínio Pires Nunes
Delegado FENAJ Lourdes Maria Sedlacek Pereira
Sup. Delegado FENAJ Janine Koneski de Abreu
Sup. Delegado FENAJ Alexandre Cruz
Com. Ética Ivan Giacomelli
Com. Ética Eumar Franco da Silva
Com. Ética Rogério Christofoletti
Com. Ética Sandra Werle
Com. Ética Marcos Bedin
Com. Ética Marli Vitali

Leia abaixo o texto de apresentação da chapa.

Em defesa dos jornalistas, do jornalismo e da democracia

A esmagadora maioria da população de países periféricos como o Brasil vive um momento de negação de qualquer perspectiva de desenvolvimento. Na divisão internacional do trabalho comandada pelas forças de mercado, está sendo imposta uma receita de retirada de direitos sociais e trabalhistas, privatizações e retrocessos que atropelam quaisquer aspirações democráticas.

O golpe perpetrado no Brasil em 2016, com apoio dos grandes conglomerados de mídia, viabilizou um cenário de imposição de contrarreformas que retrocedem as lutas dos trabalhadores brasileiros e as conquistas sociais obtidas com a Constituição de 1988 – ápice do processo de redemocratização nacional pós-ditadura de 1964 – em mais de um século.

As reformas trabalhista e da previdência são óbvias opções do empresariado em diminuir ainda mais os custos da mão-de-obra e maximizar lucros, sob o falso argumento de modernizar o Estado, as relações de trabalho, alavancar a economia e gerar empregos.

Depois de três décadas de democracia e de avanços parciais nas políticas de inclusão social, o Brasil voltou a uma situação onde o Estado Democrático de Direito e vontade soberana do povo foram atropelados. Neste cassino, os valores humanitários para a vida social, construídos ao longo de séculos, foram vilipendiados.

Os jornalistas, que nos últimos 10 anos sofrem com o aprofundamento da desvalorização de seu trabalho, com demissões, pejotização e contratos precários, vivenciam também – como toda a classe trabalhadora – um feroz ataque à sua organização, com a tentativa de sufocar e fragilizar suas entidades sindicais via cortes de custeio e retirada de direitos.

Nos dias atuais, o próprio Jornalismo está ameaçado como atividade fundamental para assegurar à sociedade seu direito à informação qualificada, através do relato cotidiano da verdade factual.

Ciente dos desafios que estão colocados, a chapa 1 – Resistência e luta – dispõe-se a prosseguir conduzindo o
Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina no rumo histórico do movimento sindical dos jornalistas brasileiros de defesa da democracia, da liberdade de manifestação do pensamento e de imprensa, e da valorização da profissão e dos jornalistas.

Por isso, além de pedir o voto de confiança de nossos colegas, convidamos todos a fortalecerem nossas entidades representativas, o SJSC e a FENAJ, e a assumirem conosco o compromisso de marcharmos juntos no combate a todo o tipo de retrocesso que impeça o povo brasileiro de ser dono de seu destino.

 

 

 

Tente também

Assembleia define comissão que vai coordenar eleições do SJSC

O processo eleitoral do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina foi iniciado na quinta-feira (25/05), …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: