sábado, novembro 26, 2022
Google search engine
InícioNOTÍCIASEm curso do Barão de Itararé, Maria Inês Nassif aborda o “lado...

Em curso do Barão de Itararé, Maria Inês Nassif aborda o “lado B” do Jornalismo Político

No sábado (14) ocorreu a primeira aula do curso “O Lado B do Jornalismo”, promovido pelo Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé em conjunto com a Escola Livre de Jornalismo. Maria Inês Nassif, colunista política e editora da revista Carta Maior, em São Paulo, discorreu sobre o jornalismo político e a maneira como ele é tratado na grande mídia, além de expor um panorama das relações da grande imprensa ao longo da história do país.

Dentre os presentes, estavam blogueiros, estudantes de jornalismo e representantes da sociedade organizada, com o intuito de aprofundar seus conhecimentos sobre o processo de construção das notícias e compreender as alternativas na prática jornalística.

Rodrigo Gomes, aluno de jornalismo da Universidade Anhembi Morumbi, reforçou o interesse de ir além das práticas e ensino propostos em sala de aula. “A universidade tem um viés maior em discutir os veículos da grande imprensa. Acho importante conhecer algo novo, fora disso”, – disse ele, que está no terceiro ano de graduação.

Ao longo das exposições e discussão do assunto, Maria Inês Nassif demonstrou como os veículos da grande imprensa trataram a recente história do país. “Há um comprometimento ideológico dessa imprensa em reforçar o senso comum das elites brasileiras”. Segundo a jornalista, o profissional de hoje tem condições de avaliar e produzir notícia de maneira a apresentar maior comprometimento com a verdade.

Debate: ponto alto

Durante a aula, houve debate entre os participantes. O maior e mais comentado questionamento foi em alusão à imparcialidade, as relações com a fonte e a produção jornalística mercadológica.

Como forma de contribuir para a discussão, Maria Inês Nassif citou o intelectual italiano Antônio Gramsci. Seria esse, em suas palavras, o principal recurso para resolver as questões. “Ele resolve boa parte desses problemas na prática da profissão” – disse ela. Ainda, de acordo com a profissional, o jornalista precisa compreender a função que exerce no veículo no qual trabalha.

Para ela, Gramsci traz um entendimento sobre a mediação necessária entre os fatos e a notícia. O autor desenvolveu o conceito sobre o intelectual orgânico. Partindo do pressuposto de sua teoria, vê-se necessário que a ideologia latente em cada um desperte a capacidade de produzir a notícia de acordo que com a própria, de maneira a não traí-la.

Na aula, Maria Inês falou sobre o discurso ideológico da elite brasileira assumido pela grande mídia e como, através dele, é criada uma explosão de pânico (expressão gramsciana). Justificando essa fala, deu como exemplo a onda de denuncismos e espetacularização da notícia para reforçar o senso comum dessa camada privilegiada da sociedade diante do público leitor.

A grande mídia e a “Explosão de Pânico”

Como exemplo do jornalismo praticado pela grande mídia na contemporaneidade – e reforçando o conceito de Gramsci – Maria Inês Nassif, falou sobre os mais recentes acontecimentos políticos do país, como o caso envolvendo Demóstenes Torres e o contraventor Carlinhos Cachoeira.

A jornalista citou casos da era Collor, onde a explosão de pânico irrompe e fica nítida a forma de relacionamento da imprensa com o espetáculo da notícia. Ela também abordou os escândalos do governo FHC e o posicionamento “golpista” da mídia durante todo governo Lula, nos casos como Correios, mensalão, o “dinheiro na cueca” e os “aloprados”.

Um bom exemplo disso foi o caso da Tapioca: a compra de uma simples tapioca, feita pelo então ministro dos esportes Orlando Silva, com o cartão corporativo, teria dado munição para a mídia especular um suposto escândalo no governo.

A palestrante expos uma ideia muito difundida e recorrente nas redações: o jornalismo político policialesco e denuncista, como prática absoluta do jornalismo atual. Para ela, o produto é péssimo e quem procura praticá-lo de forma diferente deve sempre se valer do comprometimento com a verdade, a boa apuração e a confirmação dos fatos, provando-se relevante para a sociedade. “O bom jornalismo está a salvo, desde que o jornalista tenha como base o comprometimento com a verdade”, argumentou.

A ideia do curso é a promoção de noções básicas sobre a construção do jornalismo longe da linha editorial ideológica propagada pelos grandes meios de comunicação. Voltado para estudantes e o público em geral, proporciona a abertura de novos horizontes de exploração do jornalismo.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios