sexta-feira, dezembro 2, 2022
Google search engine
InícioAÇÃO SINDICALEntidades repudiam demissão de Celso Schröder

Entidades repudiam demissão de Celso Schröder

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) foi surpreendida, nesta quinta-feira, dia 20, com a notícia de que o ex-presidente Celso Augusto Schröder, atual diretor de Relações Institucionais da entidade, foi demitido pelo Correio do Povo, jornal do Estado do Rio Grande do Sul onde o jornalista trabalhava há 30 anos.

Atual presidente da Federação dos Jornalistas da América Latina e do Caribe (Fepalc), membro titular do Conselho de Comunicação Social do Congresso Nacional e ex-vice-presidente da Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ), Schröder foi convocado por telegrama para receber o comunicado de dispensa pelo diretor de Redação.

Durante a metade das três décadas em que foi funcionário da empresa, o ex-presidente da FENAJ foi impedido de exercer a função de chargista – para a qual fora contratado – em função dos mandatos sindicais que exerceu ao longo dos últimos quinze anos.

Liberado para representar o movimento sindical dos jornalistas, há dois meses Schröder se apresentou para trabalhar e a direção do Correio do Povo teve de permitir a volta dele à função. Porém, ontem, a empresa anunciou o desligamento unilateral de Celso Schröder, que também é professor do curso de Jornalismo da Famecos – Faculdade de Comunicação da PUCRS.

A demissão de jornalistas é uma prática usual no Grupo Record. Na TV, por exemplo, o processo de afastamento dos profissionais que paralisaram as atividades em função de reivindicações da categoria foi amplamente denunciado pelo Sindicato dos Jornalistas no Estado do Rio Grande do Sul. À época, a equipe foi reduzida ao mínimo.

A dispensa de um dirigente sindical de reconhecida atuação internacional e acadêmica, contudo, confirma o desprezo do Correio do Povo à autonomia sindical e escancara uma forma de violência não só contra Schröder, mas contra todos os jornalistas, cujos dirigentes deveriam ter assegurado o direito de exercer com liberdade a defesa da categoria dentro e fora da empresa.

A agressão às entidades representativas dos jornalistas, a perseguição política e o desrespeito dos veículos de comunicação aos dirigentes sindicais não são fatos isolados. Mais que um novo caso de prática antissindical contra diretores no exercício do mandato, a demissão de Celso Schröder integra um contexto de ataques à democracia, aos direitos e à livre organização da classe trabalhadora, que devem ser denunciados e combatidos com firmeza não só pela categoria, mas por toda a sociedade.

A FENAJ, os 31 sindicatos de jornalistas filiados e as entidades abaixo subscritas repudiam de forma veemente a demissão do ex-presidente e informam que tomarão todas as providências cabíveis para devolver a Celso Augusto Schröder o direito de representar e defender a categoria com liberdade e autonomia, como prevê a legislação desrespeitada pelo jornal Correio do Povo.

Brasília, 20 de abril de 2017

Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ

Federação Internacional dos Jornalistas – FIJ

Federação dos Jornalistas da América Latina e do Caribe – Fepalc

Federação Latinoamericana de Jornalistas – Felap

Central Única dos Trabalhadores – CUT

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB

União Geral dos Trabalhadores no Pará – UGT/PA

Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – FNDC

Confederação dos Servidores Públicos Municipais – Confetam

Federação dos Trabalhadores em Rádio e TV – Fitert

Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal no CE – Fetamce

Federação dos Sindicatos dos Servidores Municipais Cutistas do PR – Fessmuc

Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do PA – Fetec/Centro Norte

Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Gráfica do CE – Sintigrace

Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba – Sismuc

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios