segunda-feira, novembro 28, 2022
Google search engine
InícioSOCIEDADETrabalhadores do Brasil preparam greve geral para 28 de abril

Trabalhadores do Brasil preparam greve geral para 28 de abril

As centrais sindicais brasileira estão unidas para a organização de uma greve geral da classe trabalhadora, contra a reforma da previdência, a reforma trabalhista e a terceirização propostas pelo governo ilegítimo de Michel Temer.

Todas as categorias profissionais são chamadas a parar no dia 28 de abril. A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) orienta seus Sindicatos a mobilizarem suas bases para que os jornalistas também participem da paralisação. “A greve será decisiva para mostrarmos que não admitimos o retrocesso histórico que está sendo proposto pelo governo golpista”, afirma a presidenta da FENAJ Maria José Braga.

Os jornalistas – e também os radialistas – da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) já aprovaram, em assembleia realizada dia 31 de março, o estado de greve, com indicativo de paralisação, no próximo dia 28. Participaram da assembleia trabalhadores e trabalhadoras das quatro praças da EBC: Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e Maranhão.

Na assembleia, os jornalistas e radialistas aprovaram, ainda, uma Carta Aberta denunciando a censura interna que atinge os veículos da EBC, numa prática envolvendo assédio aos trabalhadores, proibição do uso de imagens e até demissões.

A decisão das centrais sindicais pela construção da greve geral no dia 28 de abril foi tomada após análise da conjuntura, que aponta uma profunda recessão econômica e o maior ataque aos direitos trabalhistas, previdenciários e sociais da história brasileira.

A classe trabalhadora sairá novamente às ruas – como fez em 8, 15 e 31 de março – para denunciar e repudiar a reforma trabalhista, que rasga a CLT, e a reforma da Previdência, que praticamente retira do trabalhador e da trabalhadora o direito à aposentadoria.

O povo na rua também vai repudiar a aprovação do PL 4302, que permite a terceirização na atividade-fim, precarizando as relações de trabalho e ameaçando direitos básicos, como férias, décimo terceiro, jornada de trabalho, descanso remunerado, horas extras e outros direitos trabalhistas consagrados na CLT.

A categoria dos jornalistas já sofre com fraudes nas relações de trabalho e será uma das mais vitimadas com a terceirização sem limites.

Com informações da CUT e do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios