InícioNOTÍCIASRaio-X do mercado de jornalismo no Brasil

Raio-X do mercado de jornalismo no Brasil

No meio da comunicação brasileira, contratos via pessoa jurídica (PJ) superam o volume de profissionais contratados sob regime da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). É o que mostra a pesquisa “Raio-X do mercado de jornalismo no Brasil”. Realizado de 20 de outubro a 5 de dezembro de 2021, o levantamento, organizado pelo Portal Comunique-se por meio da plataforma Comunique-se 360, contou com 335 respondentes — entre jornalistas de redação, atuantes em agências de comunicação e comunicadores que, apesar do título, estão fora da imprensa.

De acordo com os dados colhidos pela pesquisa, a “pejotização” é o modelo de trabalho mais popular nos três níveis mapeados como empregadores de jornalistas no país. Em veículos de comunicação, PJs somam 54,1% (além de mais 5,4% que têm rendas formadas por trabalho como CLT + PJ). Em agências de comunicação, a proporção de PJ é ainda maior: 61,5% e mais os 9% que combinam a carteira assinada com contrato como pessoa jurídica.

Para comunicadores que responderam ao questionário da pesquisa, mas estão trabalhando fora das redações e das assessorias, PJ também foi a resposta mais popular entre as opções. 47,7% desses profissionais trabalham integralmente a partir de acordos por meio de pessoa jurídica. Contratados via CLT representam 44,1% dos entrevistados. E, por fim, a combinação entre os dois modelos moldam a renda de 8,1% dessa parcela do público ouvido pelo Portal Comunique-se.

Alta carga horária

O modelo de trabalho — PJ X CLT — não é o único indicador a unir os jornalistas brasileiros — sejam eles atuantes em redações, agências ou fora do dia a dia de órgãos de imprensa. A alta carga horária diária de serviço é outro ponto em comum entre toda a categoria. Àqueles em veículos de mídia, o mais comum é trabalhar de 8 a 10 horas, em média, a cada dia (41,4% das respostas). Para quem está em agência, a carga mais comum é de 6 a 8 horas (35,9%), seguida justamente de 8 a 10 horas (33,3%). O comunicador fora desses dois ambientes trabalha, na média, de 8 a 10 horas (38,7%).

raio-x do mercado de jornalismo no Brasil - trabalho na imprensa
(Imagem: Gabriel Andrade/Grupo Comunique-se)

Questão salarial

O “Raio-X do mercado de jornalismo no Brasil” promovido pelo Brasil foi buscar entender também como está a parte salarial. Nessa parte, profissionais inseridos em veículos de comunicação são, percentualmente, os que menos conseguem receber salários superiores a R$ 10 mil — 25,2%, mesmo nível de respostas para vencimentos de R$ 5 mil a R$ 7 mil. Ter renda mensal acima de R$ 10 mil foi a resposta dada por 29,5% dos entrevistados atuantes em agências e 28,8% de quem está fora das redações e das assessorias.

Nesse sentido, foi perguntado exclusivamente para quem trabalha em veículos de comunicação: “você pensa ou já pensou em desistir do jornalismo para tentar carreira em algum outro setor?”. A maioria absoluta (55%) admitiu que, sim, pensa (ou pensou) em mudar de ares profissionais. E o ponto salarial foi colocado como o principal motivo para esse tipo de pensamento. Afinal, a remuneração foi citada por 62,3% dos respondentes (entre quem pensou/pensa em deixar o jornalismo). A pressão no dia a dia de trabalho apareceu distante, mas na segunda posição do item: 11,5% das respostas.

A partir dos dados apresentados pela pesquisa é possível afirmar, por exemplo, que parte foi além de pensar e… deixou de trabalhar em veículos de comunicação. Entre os respondentes que atualmente estão inseridos em agências, 67,9% já trabalharam em algum momento em redação. Volume similar a de quem hoje se vê profissionalmente fora de assessoria ou veículo: 65,8%.

De todo o universo de respondentes do levantamento, 10,4% estão em busca de oportunidade. Dentro dessa parcela, boa parte não pretende, necessariamente, trabalhar em alguma vertente da mídia. Isso porque 34,3% dos desempregados afirmam que almejam encontrar um emprego fora da área de comunicação. Enquanto isso, 28,6% batalham para galgar vagas exclusivamente em veículos de mídia. Agências estão na mira de 20% desse público.

raio-x do mercado de jornalismo no Brasil - trabalho agência
(Imagem: Gabriel Andrade)

Fator pandemia

Entre os comunicadores brasileiros desempregados chama a atenção o fato de praticamente a metade (48,6%) encontrar-se nessa condição desde antes de o país conviver com a pandemia da Covid-19. Entre aqueles que trabalham — redações, agências ou em qualquer outro nicho ou setor — o período pandêmico serviu para estagnar o salário (47,2%). Para 27,6% dos entrevistados, no entanto, os vencimentos mensais foram reduzidos, percentual maior do que aqueles que viram seus salários aumentarem (25,2%).

Home office e digitalização

Ainda em relação ao mercado de trabalho, o “Raio-X do mercado de jornalismo no Brasil” evidencia que a maioria está — ao menos momentaneamente — trabalhando integralmente de casa, o famoso home office (52,4%). O trabalho presencial foi a resposta de 24,4% dos entrevistados ativos no mercado. O modelo híbrido, por sua vez, está presente na vida profissional de 24,4% dos comunicadores atualmente empregados no país.

Diante da implementação do home office, os comunicadores brasileiros estão cada vez mais digitais, inclusive para aquisição de novos conhecimentos. No bloco de “atualização e novas mídias” do levantamento, as redes sociais aparecem como o principal meio para atualização profissional, com 65,1% das respostas (a pergunta poderia contar com a seleção de mais de uma resposta). Na sequência, apareceram: cursos online (62,7%); e-books & artigos (60,3%); webinars (37%); e cursos presenciais (20%).

A relação dos jornalistas do Brasil com as novas mídias vão além da busca por atualização por meio das redes sociais. Por falar em plataformas de social media, 91,3% dos entrevistados têm perfil ativo no Instagram. Ainda nesse campo, 60,9% dos respondentes revelaram: planejam ou planejaram dedicar-se profissionalmente às novas mídias, como editar um blog ou manter canal no YouTube. Em contrapartida, a maioria absoluta (55,2%) acredita que o advento das redes sociais e a ascensão dos chamados influenciadores digitais prejudicaram o jornalismo e os jornalistas em geral.

raio-x do mercado de jornalismo no Brasil - trabalho mídias
(Imagem: Gabriel Andrade)

Relação com as mídias

A parte digital também aparece com destaque no item sobre hábitos e costumes dos jornalistas brasileiros. Isso porque na pergunta “você costuma acompanhar quais formatos de conteúdo?” (que poderia ter mais de uma resposta marcada), a “internet, sobretudo a parte textual” surge como o meio mais popular, sendo indicada por 98,2% dos jornalistas entrevistados. TV paga, TV aberta, vídeos online, rádio e podcast dão sequência ao ranking. Respectivamente, foram mencionados por 71,9%, 63%, 61,5% 55,8% e 46,3%, respectivamente. Representantes da mídia impressa, jornais (36,7%) e revistas (23,6%) aparecem nas últimas colocações.

Veículo de comunicação centenário e que se faz presente no impresso e também no online, a Folha de S. Paulo aparece como o “queridinho” entre os comunicadores do país. O título foi — disparado — o mais citado para a questão: qual ou quais veículos você assina ou apoia. Em números absolutos, 77 entrevistados afirmaram que assinam a publicação mantida pela família Frias. Com menos da metade do volume da Folha, O Globo aparece na segunda colocação, com 37 assinantes. O Estadão completa o pódio, sendo citado por 34 respondentes.

Relatório completo: Raio-X do mercado de jornalismo no Brasil

A íntegra do “Raio-X do mercado de jornalismo no Brasil” está disponível para download GRATUITO. Para ter acesso ao material completo, basta clicar aqui e preencher o formulário online. O relatório em 11 capítulos:

  1. Objetivos e métodos;
  2. Perfil do respondente;
  3. Em busca de oportunidade;
  4. Trabalho na imprensa;
  5. Trabalho em agência;
  6. Trabalho fora da imprensa e da agência;
  7. Mercado de comunicação na pandemia;
  8. Atualização e novas mídias;
  9. Hábitos e costumes;
  10. Conclusão dos dados;
  11. Sobre o Comunique-se.

Raio-X do mercado de jornalismo no Brasil. Baixe gratuitamente o relatório do levantamento realizado pelo Portal Comunique-se

____________________

“Raio-X do mercado de jornalismo no Brasil” foi realizado por meio do Comunique-se 360, solução desenvolvida pelo Grupo Comunique-se para a área de comunicação corporativa, com serviços de mailing imprensa, gestão de bases de contatos, envio de e-mail marketing & newsletter e clipping.

Anderson Scardoelli

Jornalista, 32 anos. Natural de São Caetano do Sul (SP) e criado em Sapopemba, distrito da zona lesta da capital paulista. Formado em jornalismo pela Universidade Nove de Julho (Uninove) e com especialização em jornalismo digital pela ESPM. Trabalhou de forma ininterrupta no Grupo Comunique-se durante 11 anos, período em que foi de estagiário de pesquisa a editor sênior. Em maio de 2020, deixou a empresa para ser repórter do site da Revista Oeste. Após dez meses fora, voltou ao Comunique-se como editor-chefe, cargo que ocupa atualmente.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios