InícioNOTÍCIASQualidade da programação e grande participação marcam o 6º Congresso dos Jornalistas...

Qualidade da programação e grande participação marcam o 6º Congresso dos Jornalistas de SC

O 6º Congresso dos Jornalistas de Santa Catarina, realizado de 28 a 30 de setembro, em Laguna, constituiu-se no maior dos eventos deliberativos da categoria no estado. As atividades contaram com mais de 90 participantes de 17 cidades do estado, entre delegados, observadores, estudantes, convidados e oficineiros, além de representantes da FENAJ e dos Sindicatos dos Jornalistas do Paraná e do Rio Grande do Sul. Ao final do evento foram aprovadas as teses e a delegação de Santa Catarina ao 35º Congresso Nacional dos Jornalistas, a realizar-se de 7 a 10 de novembro, em Rio Branco (AC).

Além do lançamento de livros e da abertura oficial com representantes do governo do estado, da prefeitura de Laguna e da ACI (Associação Catarinense de Imprensa), a confraternização em um restaurante com música ao vivo marcou a noite de sexta-feira (28/09) no sul do estado. Na avaliação do presidente do SJSC, Valmor Fritsche, o congresso catarinense teve como destaques a grande participação e o alto nível dos debates: “Encontros como este são fundamentais para discutir os rumos da nossa profissão e o fórum apropriado para aprovar as deliberações da categoria”.

Já no sábado, a programação foi intensa. Na conferência de abertura, o presidente da FENAJ, Celso Schröder, abordou o tema central do evento, “Novas Tecnologias e seus Impactos no Exercício Profissional do Jornalismo”, destacando o papel dos jornalistas Daniel Herz e Adelmo Genro Filho no debate teórico da comunicação no Brasil, a importância da 1ª Conferência Nacional de Comunicação (Confecom) para a luta pela democratização da comunicação no país e criticando a “postura ingênua de setores dos movimentos sociais” que apoiaram a aprovação do PL 29/07 — projeto de lei que, na prática, aniquila com diversas conquistas obtidas com a regulamentação da TV a cabo, ocorrida em 1995.

Contrapondo-se à concepção cada vez mais disseminada do “novo jornalismo” advindo das novas tecnologias, Schröder sustentou que “o papel social do jornalista e a essência do Jornalismo se mantém, o que mudam são as plataformas, linguagens e técnicas, mais adequados a um veículo impresso, ao rádio, à TV ou a um site”, disse. Para ele, é um equívoco considerar que qualquer pessoa que produza conteúdos para um blog, um site ou redes sociais esteja fazendo jornalismo. “Uma coisa é emitir opinião, defender a posição de uma organização da qual você participa, ou dizer em qual salão um determinado artista está fazendo a unha; outra coisa é investigar, produzir e disseminar sistematicamente informação de interesse público; e, para isso, é fundamental um profissional com formação específica”, disse.

PAINEIS

Em seguida, dois painéis contribuíram com o enriquecimento dos debates. No primeiro, “Muito além de Clark Kent: superjornalistas multitarefa, jornadas extenuantes e salários aviltantes”, a vice-presidente da FENAJ e diretora do Sindicato dos Jornalistas de Goiás, Maria José Braga, o presidente do Sindicato dos Jornalistas do RS e vice-presidente Regional Sul da FENAJ, José Nunes, e o presidente do Sindicato dos Jornalistas do PR, Guilherme Carvalho, debateram a realidade da profissão com o advento das novas tecnologias. Destacou-se a necessidade de garantir o respeito à jornada de trabalho, a saúde dos jornalistas, a regulamentação da profissão e as lutas nacionais por mais segurança e combate à violência contra jornalistas, a aprovação da PEC dos Jornalistas na Câmara dos Deputados e a instituição do piso salarial nacional para a categoria.

No segundo painel, o professor do curso de Jornalismo da UFSC, Eduardo Meditsch — que fez parte da comissão de especialistas responsáveis por elaborar a proposta de novas diretrizes curriculares para os cursos de Jornalismo —, o coordenador do curso de Jornalismo do Ielusc (Joinville) e membro da diretoria do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo, Silvio Melatti, e o coordenador do curso de Jornalismo do IBES/Sociesc (Blumenau), Eumar Francisco da Silva — que também é membro da Comissão de Ética dos Jornalistas de Santa Catarina —, discutiram o tema “Novas diretrizes curriculares e a formação acadêmica em tempos de Jornalismo multifacetado”.

Além da necessidade de maior qualificação da formação acadêmica em Jornalismo, uma pergunta ficou no ar: por que a Comissão Nacional de Educação (CNE), após três anos de debates e audiências públicas, que contaram com a participação de diversos setores sociais, mantém engavetada a propostas de novas diretrizes curriculares que resultou deste processo? A FENAJ, o Fórum Nacional de Professores de Jornalismo (FNPJ) e a Associação Brasileira de Pesquisadores de Jornalismo (SBPJor) apoiam a proposta da comissão de especialistas e estão buscando resposta para esta pergunta junto ao Ministério da Educação.

OFICINAS DE ATUALIZAÇÃO

Entre os dois painéis, a programação do 6º CJSC contemplou quatro oficinas de atualização profissional que contaram com grande participação do público. Alexandre Gonçalves, de Florianópolis, especialista em mídias digitais e diretor do SJSC, ministrou a oficina 1, “O uso de redes sociais: riscos e benefícios”. Já a oficina 2, “Novas oportunidades de mercado: a força do hiperlocal”, foi ministrada pelas jornalistas de Criciúma Andressa Fabris, da Alfa Comunicação, e Ana Paula Cardoso, do Portal Engeplus. O jornalista freelancer Maurício de Oliveira, de Florianópolis, ministrou a oficina 3, “Jornalista por conta própria: indo além da assessoria de imprensa e boas práticas para incrementar o currículo”, e a professora da Unochapecó, cineasta e documentarista Ilka Goldschmidt ministrou a oficina 4, “Além da cobertura diária e factual: produzindo mídias alternativas e documentários jornalísticos”.

APROVAÇÃO DE TESES

A fase deliberativa do 6º CJSC ocorreu em plenária realizada no domingo pela manhã. Além das oito teses guia nacionais, foram aprovadas quatro teses apresentadas pelo SJSC. A primeira trata de uma pesquisa sobre o perfil do jornalista brasileiro, que está sendo realizada por pesquisadores da UFSC com apoio da FENAJ. Ela propõe que, além de ampla divulgação do resultado da pesquisa, a FENAJ organize seminários regionais para avaliar o resultado da pesquisa e traçar linhas de ação sindical por melhores trabalhos e condições de trabalho. A segunda defende a criação do Núcleo de Jornalistas de web de Santa Catarina. Já a terceira sugere a realização do I Encontro dos Jornalistas no Serviço Público de SC e a quarta tese propõe o aumento da fiscalização sobre registro profissional, a reorganização dos profissionais de imagem de SC, a ampliação da relação do SJSC com a Associação de Propriedade Intelectual dos Jornalistas (APIJOR) e uma consulta à categoria para a atualização da Tabela de Serviços Freelance no estado.

DELEGAÇÃO CATARINENSE

Ao final do evento, foi eleita a delegação de SC ao 35º Congresso Nacional dos Jornalistas, composta por Valmor Fritsche, Lourdes Sedlacek, Hermínio Nunes, Tânia Machado de Andrade, Aderbal Filho e a estudante de Jornalismo Bruna Alves Vasconcelos, da Faculdade Estácio de Sá (com Taynara Macedo, da Universidade Federal de Santa Catarina, como suplente), e aprovada a Carta de Laguna.

Carta de Laguna

Os jornalistas reunidos no 6o Congresso de Jornalistas de Santa Catarina, de 28 a 30 de setembro de 2012, em Laguna, Santa Catarina, inspirados no ideal de Anita e Giuseppe Garibaldi, heróis de dois mundos, reafirmam a necessidade de continuar a luta contra a exploração, a sobrecarga de trabalho e os baixos salários, incompatíveis com a importância social do jornalismo, fundamental para a sustentação de uma sociedade democrática. O tema do Congresso – Novas tecnologias e seus impactos no exercício profissional do Jornalismo – impõe a necessidade de rediscutir a profissão, para estabelecer novos parâmetros, que definam limites ao excesso de tarefas, pois a modernidade dos equipamentos tecnológicos contrasta com a precarização das condições de trabalho.

No momento em que o capitalismo se vê confrontado com os limites físicos de destruição dos recursos naturais; em que a ameaça de uma inédita mudança climática pode gerar graves tensões sociais, com impactos devastadores que se farão sentir com maior intensidade sobre as populações mais pobres, mais uma vez é preciso destacar a importância de usar as novas tecnologias a serviço do bem-estar humano.

O contraponto a esse cenário preocupante é a garantia da veiculação de informações éticas, de qualidade, com foco no interesse público – essência da atividade jornalística, que tem no Código de Ética os princípios que orientam a conduta dos integrantes da categoria. E, nesse sentido, é preciso avançar na criação de mecanismos para a democratização da comunicação, um direito dos cidadãos, hoje reféns de grandes corporações midiáticas, que atuam como se fossem um partido político, tentando influenciar o debate dos principais temas que interessam à população, pautando a sua atuação na defesa dos interesses do capital e atacando os movimentos sociais e os trabalhadores.

Os jornalistas presentes neste 6o Congresso reafirmam a necessidade de resgatar as conquistas e avançar na luta pela formação profissional específica, regulamentação da profissão e pela criação do Conselho Federal de Jornalistas (CFJ).

A defesa de um piso salarial nacional é parte de uma luta mais ampla pelo direito ao trabalho digno, o que inclui a atenção permanente à saúde e à segurança dos profissionais.

Os desafios que os jornalistas enfrentam como autores de obras intelectuais aumentaram nos últimos anos com o desenvolvimento tecnológico, notadamente com a popularização da internet.

A Fenaj, com o apoio dos sindicatos, vem ajudando a realizar uma pesquisa nacional com o objetivo de traçar o perfil da categoria. Conhecer quem somos, onde estamos e as condições em que atuamos será um passo importante para definir as estratégias que garantam melhores condições de trabalho e informações de qualidade à sociedade.

Faz-se necessário ampliar a organização dos núcleos de jornalistas de web, valorizar os jornalistas no serviço público e assegurar direitos previstos na regulamentação da profissão.

Os jornalistas presentes ao 6o Congresso renovam a convicção de que participar das lutas com os sindicatos, com a Fenaj, com as escolas de comunicação e com os movimentos sociais é o que vai garantir um futuro melhor aos jornalistas e a todos os trabalhadores brasileiros, para que a qualidade de vida, a solidariedade e a superação das desigualdades sociais sejam os elementos centrais da construção de uma nova sociedade, sem exploração, sem preconceito, bem informada e democrática.

Laguna (SC), 30 de setembro de 2012.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios