quarta-feira, dezembro 7, 2022
InícioSOCIEDADECunha é primeiro réu da Operação Lava Jato no Supremo

Cunha é primeiro réu da Operação Lava Jato no Supremo

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou na quarta-feira 2 pelo acolhimento parcial da denúncia contra o presidente da Câmara dos Deputados,Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Com isso, Cunha é o primeiro dos 38 parlamentares investigados pela Operação Lava Jato a passar à condição de réu no STF. Ele responderá pela prática de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no esquema de desvio de recursos da Petrobras.

O julgamento da denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) será retomado na quinta-feira 3. Cunha é acusado de receber propina de 5 milhões de dólares para viabilizar, sem licitação, a construção de dois navios-sonda da Petrobras.

O ministro Teori Zavascki, que é relator dos processos da Operação Lava Jato no STF, votou pelo recebimento parcial da denúncia. Após a explanação de Zavascki, os ministros Cármen Lúcia, Marco Aurélio Mello, Luiz Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Rosa Weber acompanharam a tese do relator, formando maioria. Apesar disso, o resultado ainda não é oficial, pois existe a possibilidade de que algum ministro altere seu voto na sessão de amanhã.

O acolhimento parcial se deve ao período englobado pela denúncia. De acordo com Zavascki, a PGR não apresentou provas que indiquem a participação de Cunha na época em que os contratos dos navios-sonda foram firmados, em 2006 e 2007, que seria o primeiro momento do esquema.

Para o relator, a participação de Cunha está confirmada a partir de 2010. Nesse segundo momento, a ação do peemedebista é centrada na cobrança de parcelas atrasadas do esquema de propina.

Segundo a denúncia da PGR, Cunha passou a fazer pressão pela retomada dos pagamentos a partir de dois requerimentos apresentados pela então deputada Solange Almeida (PMDB-RJ), hoje prefeita de Rio Bonito (RJ), à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara. Almeida foi denunciada nesse mesmo inquérito e, com a decisão da maioria dos ministros, também se tornou ré.

“A denúncia trouxe reforço narrativo lógico e elementos sólidos que apontam ter ambos os denunciados, Eduardo Cunha e Solange Almeida, aderido à exigência de recursos ilícitos nesse segundo momento, entre 2010 e 2011”, afirmou Zavascki.

O ministro lembrou, ainda, que os delatores Júlio Camargo e Fernando Soares, o Fernando Baiano, afirmam ter conhecido Cunha após a celebração dos contratos, a partir de 2009. Camargo, que teria oferecido a propina, era consultor da empresa Toyo Setal; já o lobista Baiano é apontado como operador do PMDB na Petrobras.

Zavascki também lembrou que parte do dinheiro destinado a Cunha foi repassado em 2012 à igreja Assembleia de Deus Ministério Madureira, frequentada pelo deputado no Rio de Janeiro. De acordo com a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, um total de 250 mil reais foi transferido à igreja por duas empresas de Júlio Camargo.

“O deputado e a deputada (Solange Almeida), ambos se utilizaram do cargo para pressionar o pagamento de propina. O deputado Eduardo Cunha recebeu no mínimo 5 milhões de dólares, e eles indicaram a forma de lavagem de dinheiro”, afirmou Janot no Supremo.

Afastamento

Mesmo que Cunha passe oficialmente à condição de réu, ele ainda não poderá ser afastado do cargo de deputado devido ao princípio da presunção da inocência. Com o acolhimento da denúncia, são abertos novos prazos para acusação e defesa se manifestarem.

Os ministros, contudo, podem analisar ainda na sessão desta quinta um pedido de afastamento de Cunha apresentado em dezembro por Janot. Na ocasião, o PGR pediu ao STF que Cunha fosse afastado do cargo de deputado federal – e, consequentemente, da presidência da Câmara – por utilização da posição para “fins ilícitos” e obstrução de investigações.

Fonte: Carta Capital

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Recent Comments

Daniel A. Santos on Legislação dos jornalistas
Antônio Carlos Costa on As multidões e os protestos
FERNANDO MARGHETTI NUNES on Dez desejos para o jornalismo em 2016
leonelcamasao on Legislação dos jornalistas
Maria Tercilia Bastos on Nota de pesar
valmor on Convênios
Vilma Gomes Pinho on Convênios